Em tempos integrada na Flandres, Lille encontra-se histórica e culturalmente ligada à Bélgica e aos seus vizinhos holandeses - e as belas ruas medievais e edifícios pitorescos não o deixarão esquecer-se disso mesmo.

No entanto, algumas partes da cidade são caracteristicamente francesas - afinal, é o local de nascimento de Charles De Gaulle, líder militar e Presidente de França de 1959 a 1969. Destacando-se como o cidadão mais famoso de Lille, o local de nascimento e casa de infância de De Gaulle, na Rue Princess, encontra-se aberto a visitação e oferece uma perspetiva abrangente da sua vida conturbada.

Lille foi ocupada pelas tropas alemãs durante a Primeira Guerra Mundial e sitiada vários dias durante a Segunda Guerra Mundial, quando foi bombardeada e parcialmente destruída. Mais tarde, reconstruiu-se como um importante centro industrial de mineração e têxteis. Nos últimos anos, com a abertura do Canal da Mancha e a chegada do Eurostar, estabeleceu-se como um importante ponto de passagem entre Londres, Paris e o Benelux.

Vieux-Lille

Grand Place de Lille
créditos: Wikipédia

O centro de Lille é repleto de praças, igrejas e belas casas com fachadas de forma triangular. Passear pelas ruas de Lille, sem rumo e pacientemente, apreciando a bela arquitetura, continua a ser a melhor forma de desfrutar da cidade. Em dias de sol, os restaurantes e bistros invadem as calçadas da cidade - é o momento perfeito para desfrutar da gastronomia local, como os típicos moules-frites (mexilhões e batatas fritas) e cerveja, que não deixam dúvidas sobre a proximidade à vizinha Bélgica.

Na Grand Place - oficialmente Place Du Général De Gaulle - não poderá deixar de notar as semelhanças entre esta e a bela praça central de Bruxelas. Repleta de cafés, é um lugar de encontro favorito entre os habitantes locais e um espaço de convívio.

No lado sul da praça encontra-se um dos edifícios mais famosos e bonitos de Lille. A Vieille Bourse (Antiga Bolsa), fundada em 1652, foi construída em estilo flamengo, em torno de um pátio de arcadas. Certamente não lhe passará despercebida a sede do "Voix du Nord", um jornal local instalado num belo edifício, com um telhado triangular e várias fileiras de janelas.

No centro da praça encontra-se a Coluna da Deusa que celebra a resistência da cidade ao cerco austríaco de 1792 - poucas cidades foram mais vezes sitiadas ao longo da sua história do que Lille.

Imediatamente atrás da Grand Place encontra-se a Praça do Teatro, emoldurada pela Casa da Ópera de Lille e ela Nova Câmara de Comércio, ambos edifícios projetados pelo arquiteto Louis Marie Cordonnier no início do século XX. Enquanto o primeiro foi construído em estilo neoclássico, o segundo, construído para substituir a já lotada Vieille Bourse, assemelha-se às antigas câmaras municipais flamengas, com uma impressionante torre sineira de 76 metros.

Em frente à Vieille Bourse encontram-se os edifícios Rang du Beauregard, uma fileira de casas construída no século XVII, após a promulgação de uma lei que obrigava à uniformização de novas construções, seguindo o modelo de edifícios já existentes, particularmente o Vieille Bourse.

Uma boa e velha cidade europeia

Notre Dame de la Treille
créditos: Wikipédia

Assim como todas as cidades europeias, Lille tem várias igrejas espalhadas um pouco por toda a cidade. A Notre Dame de la Treille é uma entre muitas, mas com o seu estilo neo-gótico, combinado com alguns detalhes modernos, deve ser visitada. Lille é conhecida por uma estátua milagrosa da Virgem Maria protegida por uma treillage de ferro - que deu o nome a este templo.

A ideia de construir uma basílica em sua honra surgiu em 1854. Mais de um século depois, foi finalmente inaugurada, em 1999. Desenhada pelo arquiteto de Lille, Pierre-Louis Carlier, em colaboração com Peter Rice, o engenheiro responsável pela Ópera de Sydney e pelo Centro Pompidou, em Paris, possui entre os seus detalhes mais marcantes um véu de mármore branco. Com apenas 28 milímetros de espessura, este véu cobre a parte central da igreja, conferindo ao interior do santuário uma cor laranja-rosada, devido ao efeito provocado pela luz solar quando atravessa a estrutura.

Nas proximidades encontrará a Igreja de São Maurício, que, apesar da aparente uniformidade arquitectónica, foi renovada várias vezes desde a sua fundação no século XIV. O edifício é um exemplo de uma Hallekerque - uma igreja-celeiro - cuja estrutura leve foi adaptada ao solo frequentemente pantanoso da Flandres.

Uma lufada de ar fresco

Boulevard de la Liberté
créditos: Wikipédia

Percorrendo a Boulevard de la Liberté, que atravessa a cidade velha, chegará à Citadelle, uma fortificação em forma de estrela projetada pelo engenheiro militar Marqui de Vauban, sob as ordens de Luís XIV, após a sua conquista da cidade. Apelidada de Rainha das Cidadelas pelo próprio Vauban, é praticamente uma cidade, cercada por cinco bastiões dispostos em forma de estrela, com uma circunferência total de 2.200 metros.

Rodeada pelo canal Deûle, inclui o maior e mais popular parque de Lille e um jardim zoológico de acesso gratuito. O Bois de Boulogne, que envolve por inteiro a cidadela, é uma lufada de ar fresco no coração da cidade. Este espaço inclui vastas áreas de caminhos florestais, destacando-se como um dos destinos favoritos entre os habitantes locais nos fins-de-semana ensolarados.

Pelos meandros da arte

Grande Braderie de Lille
créditos: Wikipédia

Lille recebe, também, nas suas ruas a maior feira da ladra da Europa, que tem lugar todos os anos durante a primeira semana de setembro. A feira Grande Braderie de Lille, uma duradoura tradição que remonta ao século XII, atrai nada menos do que dois a três milhões de visitantes em busca de artigos de inspiração vintage e retro, alinhados ao longo de 100 quilómetros de bancas espalhadas por toda a cidade de Lille .

Ficará, provavelmente, surpreendido ao saber que Lille também acolhe no seu perímetro um dos mais importantes museus de arte de França, apenas superado pelo Louvre. Estabelecido sob as instruções de Napoleão, o Palácio das Belas-Artes abriga no seu interior obras-primas de artistas europeus, como El Greco, Rafael, Rembrandt, Rubens, Van Dyck, Goya e Delacroix. Este palácio de 22.000 metros quadrados, localizado no centro, é visitado por uma média de 230.000 pessoas todos os anos.

Se tem curiosidade em saber um pouco mais sobre como era a vida em Lille durante o Renascimento, não pode deixar de visitar o Museu Hospice Comtesse. Este antigo hospital e hospício, fundado em 1237, transportá-lo-á para uma casa tipicamente flamenga, com uma coleção eclética de móveis, peças decorativas, pinturas e tapeçarias da autoria de Guillaume Werniers, o famoso tecelão de Lille. O espaço do museu inclui a antiga enfermaria do hospital, a capela e os dormitórios que pertenciam às freiras Agostiniana, todos organizados em torno de um pátio, assim como um jardim medicinal.

Lens
Louvre-Lens créditos: AFP

A cerca de 30 minutos de Lille, o Louvre-Lens é uma filial do famoso museu parisiense. A par de exposições temporárias, oferece uma visão abrangente das coleções do Louvre em ordem cronológica, desde a antiguidade até ao período moderno, e é uma das atrações mais populares e controversas de Nord-Pas-de-Calais.

No subúrbio vizinho de Villeneuve d'Ascq encontra-se o prestigiado Musée d'Art Moderne, que exibe mais de 4.500 obras, desde a arte moderna à arte contemporânea. Rodeado por um parque de esculturas, o LaM deve a sua coleção a uma doação da família Masurel, que inclui obras de Braque, Kandinsky, Klee, Modigliani, Picasso, entre muitos outros.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.