Os 300 habitantes desta ilha norueguesa passam, durante o verão, 69 dias de luz solar constante, fazendo com que haja crianças a jogar futebol ou pessoas a cortar a relva das suas casas às 02h da madrugada. Desta forma, as horas que marcam nos relógios são, segundo os habitantes, “uma mera formalidade” ou “uma prisão convencional”.

Kjell Ove Hveding é um dos responsáveis pela campanha "Paremos o tempo" e levou esta ação até ao parlamento da Noruega, manifestando assim o desejo de oficializar um sistema mais flexível, que se adeque à realidade deste local.

Hveding viajou até Oslo para entregar o documento a um deputado local e a iniciativa será agora analisada, esperando que o parlamento debata esta questão da mudança de horário após o período estival.

De forma simbólica, os moradores de Sommaroy penduraram os seus relógios na ponte que liga a ilha ao continente, sugerindo aos turistas que façam o mesmo.

Por outro lado, alguns cidadãos acreditam que esta abolição pode apresentar um entrave aos turistas e nalgumas atividades, como saber a que horas um hotel ou um bar abre. No entanto, de acordo com Kjell, “o ser humano viveu assim durante milhares de anos, então, não deve ser assim tão difícil”.

A medida também poderia gerar uma nova atração turística e uma experiência social bastante importante.

De qualquer modo, este verão ‘alargado’ contrasta, claro, com o profundo inverno de escuridão de 69 dias nesta cidade nórdica.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.