A estrada para cá chegar é feita no meio de montanhas, curvas e contra curvas são uma constante e a jornada é longa, mas a vista é linda, apesar de ficar mais entusiasmada se estiver rodeada de palmeiras, o que não é o caso. A cidade não é grande e não se veem assim tantos turistas do Ocidente, mas muitos turistas vietnamitas. Este destino é para eles um escape às temperaturas de mais de 30ºC que se fazem sentir assim que se sai de Dalat.

Em Dalat, ainda é bastante visível a influência da colonização francesa no Vietname. Existe um bairro francês com casas de arquitetura que denuncia a origem de quem as idealizou. Curiosamente, o nome da cidade foi um mero erro dos franceses que, quando lá chegaram, perguntaram aos nativos que nome davam àquela terra e eles responderam "esta é a nossa terra", em vietnamita, que se traduz numa palavra muito parecida com Dalat. Os franceses não falavam a língua e não entenderam bem e batizaram o local como Dalat.

Dalat é, sobretudo, um ponto em contacto com a natureza, com muitas cascatas, lagos, pontos altos de montanha com vista em redor, campos de flores e estufas, muitas estufas com flores. Aqui crescem frutas que não há em outros locais do Vietname, por ser um local mais frio. Então muitos vietnamitas do sul encontram aqui um ponto de “refresco” do local onde vivem. É uma cidade calma, onde o trânsito não existe, um escape perfeito para os mais de 10 milhões de pessoas que vivem em Ho Chi Minh.

Dalat
créditos: While You Stay Home
Dalat
créditos: While You Stay Home

O impressionante templo Linh Phuoc

Um dos locais imperdíveis na visita a Dalat é o templo Linh Phuoc que fica afastado da cidade, mas este eu consigo visitar sozinha. A velha estação de comboios, para além de local onde se podem ver locomotivas antigas, ainda tem uma operacional que leva os turistas a este templo. Este é o único comboio que parte desta estação, e a sua função é só mesmo levar turistas ao templo e voltar. A estação em si também é um dos pontos a visitar na cidade.

A carruagem é “vintage” e leva os turistas numa jornada de 30 minutos a pouca velocidade entre casas, estufas, e caminhos verdejantes. Uma viagem bem agradável! A estação de comboios está a 5 minutos a pé do templo Linh Phuoc, um dos mais impressionantes que já vi em todo o Sudeste Asiático. O complexo é grande e sou vagarosa a visitar. Fiquei cerca de 2h e meia a ver tudo o que aqui se encontra ao detalhe, e detalhe não falta. Os templos estão inteiramente decorados com pedaços de cerâmicas partidos, cada pedacinho é diferente do outro. Parece-me um trabalho brutal que deve ter demorado imenso tempo a ficar concluído. É de deixar o queixo caído.

Dalat
créditos: While You Stay Home
Dalat
créditos: While You Stay Home

Existe uma torre alta feita com o mesmo método que ninguém sobe. Fico admirada. Aquele comboio veio cheio de gente e nenhuma daquelas pessoas se quis dar ao trabalho de subir uns 6 andares de escadas. Cada andar tem uma vista diferente que contemplo por largos minutos. Vale a pena a subida, sem dúvida. No entanto, sou a única a fazê-la. Vejo as câmaras de segurança todas a apontar para mim. Não há mais ninguém para observar. Foi um bocado constrangedor porque as conseguia ouvir a virar na minha direção e algumas estavam bem perto de mim. Este é o templo com mais câmaras que já visitei, isto porque existem nele uma coleção de livros muito importantes, daí tanta vigilância. Um pôr do sol visto do andar mais alto deve ser lindíssimo, mas o último comboio parte às 5h da tarde, portanto essa é uma vista impossível, até porque está a chover.

Existem no total 3 templos, cada um deles diferente. Este último que visito está decorado com dezenas e dezenas de estátuas douradas. Tantas mas tantas…. Impressionante! Aqui também se encontra uma estátua recorde de Guiness. É uma estátua de “lady Buddha” coberta com flores naturais secas, a mais alta do mundo feita desta forma. Mais uma vez impressionante. Não há nada que não seja impressionante aqui! No rés do chão encontra-se uma galeria mais uma vez impressionante, com pedras como jade de tamanho que nunca tinha visto. Cadeirões gigantes de madeira maciça, topos de mesas que são feitas de pedra polida com mais de 50 cm de espessura. Uma loucura!

No rés do chão encontra-se uma visão do Inferno. Sim, isso mesmo, uma caverna escura com sons macabros e arrepiantes decorada com esculturas de pessoas a serem torturadas de várias formas, esqueletos, luzes vermelhas a saírem-lhes dos olhos. Calculo que seja um retrato do que será o inferno para eles também. E consegui assustar uns quantos vietnamitas que por lá andavam na escuridão...

Conhecer Dalat com uma guia local

Dalat oferece paisagens verdejantes, campos de flores, templos, cascatas e lagos. O problema é que as coisas são bastante afastadas umas das outras e não há propriamente meios de transporte para chegar a todas elas facilmente. Por isso, muitos viajantes costumam viajar por cá de mota, que acaba por ser o melhor meio de percorrer todos os pontos de interesse na cidade.

Encontrei uma tour, feita por estudantes, com o valor mínimo de 1€ e o resto é feito por "pague o que quiser". Gostei muito da tour e aconselho vivamente. A menina que esteve comigo era muito simpática e sabia muito da história da cidade, aprendi imensas coisas que não sabia sobre o Vietname com ela.

Nesta tour visitamos o palácio do rei, o lago Tuyen Lam, o ponto mais alto da cidade com vista de 360º, onde se consegue ter a noção de que tudo à volta são montanhas. Uma vista muito agradável.

Dalat
créditos: While You Stay Home

Visitamos ainda um templo com uma estátua dourada gigante de Buda, onde acabamos por jantar. Era dia de comida grátis, disse ela. Já tinha visto isto antes, comida disposta numa mesa, mas nunca tinha ido a um templo com um local, portanto não sabia que era para quem quiser comer. Pelos vistos, os templos costumam fazer isto de vez em quando. Existem refeições grátis para quem quiser. São feitas com o dinheiro das oferendas dos devotos. Estava delicioso o que acabamos por comer e soube pela vida, pois já estávamos com muita fome.

Acabamos por nos dar bem e combinamos um copo mais tarde num dos únicos bares existentes por cá. Os vietnamitas não têm por hábito sair para ir beber um copo, assim sendo, os clientes deste bar são 90% estrangeiros. É o bar labirinto e é de arquitetura exuberante e intrigante, daí ter decidido visitar. É um ponto de atração para os turistas. O bar em si é um labirinto com várias assoalhadas. Tem uma decoração e arquitetura irreverentes, ao estilo Gaudi. É um sítio interessante de ser visitado graças a esta característica que o torna único. Cuidado para não se perder! Principalmente se já tiver bebido uns copos.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.