No entanto, as terras altas são lar de lugares lindíssimos e natureza verdejante. Por aqui, chove quase todos os dias do ano, daí este ser o local de uma das mais maravilhosas florestas húmidas do mundo. Só cá estive por duas noites, portanto inscrevi-me numa tour para ver as várias atrações do local num dia.

Cameron Highlands é terra de chás, morangos, lavanda, borboletas, uma vasta gama de quintas para observação da produção local. Mas, mais do que tudo, Cameron Highlands são morangos. Morangos em todo o lado, porta-chaves de morango, meias com morangos, pijamas com morangos, chapéus, bolos, café… Morangos, morangos e mais morangos. Aqui existem várias quintas de morangos que os turistas podem visitar e colher os seus próprios morangos. No entanto, visitar quintas de morangos não é de todo a coisa mais divertida para se fazer por estas terras.

Cameron Highlands é marcada pelos campos de chá que configuram padrões geométricos à paisagem e uma vista das montanhas deslumbrante cobertas com vários tons de verde, denunciando as folhas mais jovens de chá. O chá dos pontos mais altos da montanha tem um sabor diferente do dos pontos mais baixos. O dos pontos mais altos tem um sabor mais suave. São hectares e hectares cobertos de chá preto que fui conhecer como se produzia. A vista por entre montanhas é encantadora, enquanto o jipe da tour avança em solavancos por entre as estradas em más condições. Uma viagem divertida.

Aventuras na floresta

Outra das grandes atrações de Cameron Highlands é a Mossy Forest, ou floresta húmida. Aqui a paisagem é luxuriante e a natureza parece estar quase intocada.

A entrada na floresta requer pagamento, mas não valeu a pena. Confesso que fiquei um pouco desiludida, não pela vista, mas sim porque a visita está limitada a alguns metros de caminhada. Em 15 minutos chego a um ponto que não se pode atravessar, isto a contar com paragens para fotos. Estava à espera de poder andar entre as árvores repletas de musgo, mas não é isso que acontece aqui. Está tudo preparado para os turistas com passeios de madeira colocados entre as árvores. Ora, assim se perde a piada toda de uma floresta destas.

No entanto, não deixa de ser magnífico ver aquelas árvores com muitos anos repletas de musgo verdejante que ainda deixa cair gotas da humidade que se faz sentir por aqui. É um cenário digno de filme, com árvores de todas as formas e bem encantadoras. Portanto, se a intenção for caminhar na floresta este não é o sítio para tal e também ouvi que para entrar na floresta é requerida uma permissão especial.

O melhor é aventurar-se sozinho por entre os vários trilhos da floresta em redor que se conseguem ver na aplicação MAPS.ME. Aqui sim, é caminhar na floresta pura, sem artefactos, com árvores caídas a impedir o caminho, escadarias feitas com raízes de árvores e chão que parece algodão quando pisado tanto é o musgo que o cobre. As árvores presenteiam-me com várias  formas delicadas e algumas assustadoras, decompostas pela água, repletas de musgo que lhe conferem um aspeto fofo. É tudo tão verde à minha volta.

É, sem dúvida, a floresta mais bonita onde já caminhei. Os sons dos pássaros, dos insetos, conferem a esta caminhada, que me durou mais de 4h na floresta sozinha, um carácter que não é possível descrever em palavras.

Existem vários caminhos na floresta e alguns não estão assim tão bem cuidados portanto o melhor mesmo é seguir com a aplicação MAPS.ME para não se perder.

Cruzo-me somente com um casal com um cão e um outro caminhante durante estas 4h e meia na floresta. O cão apareceu bem antes dos donos e tão silencioso que me pregou um susto de morte assim que fez o primeiro gemido. Não sei se foi por ter o cão por perto ou não, mas consigo avistar um gibão bem lá no alto das árvores a fazer uns ruídos que nunca tinha ouvido antes, não sabia que animal seria aquele até seguir o som e conseguir localizá-lo. Que arrebatador, ver aquele ser livre na floresta. Fiquei largos minutos a apreciá-lo.

Dependendo dos trilhos da floresta, a dificuldade de os fazer é diferente. Cada trilho tem um número e fiz vários. O trilho número 8 foi particularmente difícil já que passei bem mais de meia hora sempre a subir e a suar. A minha testa parecia uma cascata! É inteligente levar bastante água, repelente e pouca pele à mostra. Se paro, sou atacada por mosquitos, mas tenho de pensar um pouco antes de decidir onde vou colocar o pé a seguir. Também existem algumas cascatas que podem ser visitadas por entre trilhos.

Valeu muito a pena esta caminhada na floresta que parece encantada e saída de um filme. Nunca tinha estado numa floresta deste género, portanto agora vou querer descobrir outras noutros países.

Para além disto, Cameron Highlands tem muitas outras quintas com produtos diversificados para visitar. Quintas de lavanda, de borboletas, de cactos, de rosas… É um sítio encantador e relaxante.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.