Por Miriam Augusto, fundadora e líder de viagens The Wanderlust

Durante os dois meses que viajei pela Indonésia, Bali estava sem dúvida alguma na lista de ilhas a visitar. Contudo, aquilo que eu não esperava era que, durante esses dois meses, eu voltasse lá sempre que possível, não tivesse eu ficado encantada logo na primeira visita.

Conhecida como a ilha dos Deuses, este pequeno pedaço de terra emana uma vibração e espiritualidade contagiantes. O constante cheiro a incenso no ar, as elegantes práticas religiosas diárias, as pitorescas e tranquilas plantações de arroz, os sorrisos genuínos, as ondas na sua perfeição máxima, a comida deliciosa... são tudo razões para trazer Bali num cantinho especial do coração. No entanto, decidi destacar 10 razões pelas quais me apaixonei por Bali e que podem muito bem ser vistas como dicas do que fazer por lá.

Os sagrados Templos Balineses

Os sagrados Templos Balineses
Os Balineses têm vindo a ser atraídos para o Tirta Empul há mais de 1000 anos, para rituais de ablução créditos: Miriam Augusto

Há quem diga que há mais templos em Bali do que casas. Na verdade, existem mais de 6000 templos em toda a ilha. A visita a qualquer um deles, que eventualmente estará direcionado para as montanhas, mar ou pôr do sol, vale bem a pena pelo contacto mais próximo com o Hinduísmo e as suas práticas religiosas, bem como com a sua arquitectura fascinante.

Entre os meus preferidos estão o Tirta Empul, o Tirta Gangga e o Tanah Lot. O primeiro localiza-se perto de Ubud e tem atraído Balineses há mais de 1000 anos, que se banham nas águas sagradas para cura e purificação espiritual. Uma prática que até já os viajantes adoptaram. O segundo, um antigo palácio pertencente à família real de Karangasem situado na zona de Amlapura, é constituído essencialmente por água, plantas e esculturas tendo na sua essência a contemplação, o descanso e alegria para todos. O terceiro fica na zona de Canggu, edificado numa rocha no meio do mar, e é também ele local de peregrinação para bênção segundo a tradição Balinesa.

Os sagrados Mount Batur e Mount Agung

Os sagrados Mount Batur e Mount Agung
Vista sobre o sagrado Mount Batur créditos: Miriam Augusto

Numa ilha de paisagem tipicamente vulcânica, os grandes responsáveis são o Mount Batur e o Mount Agung.

Do alto dos seus 1717 e 3124 metros de altitude, respetivamente, são duas das "montanhas" sagradas segundo a crença Hindu, habitando aqui os espíritos benignos. Espiritualidade à parte, ambos são um dos melhores locais para se fazer trekking na ilha, até para quem não está habituado a estas andanças.
Um percurso de cerca de 6 horas no Mount Batur e 12 horas no Mount Agung, que culminam num nascer do sol fantástico (assim estejam os Deuses connosco) no topo destes vulcões activos, é o mote para se sentir a vibração da terra sagrada que nos enche a alma.

Os 50 tons de verde

Os 50 tons de verde
Terraços de arroz com toque tropical em Gunung Kawi créditos: Miriam Augusto

Confesso que, para além das praias, quando penso nas paisagens de Bali, a primeira coisa que me vem à cabeça são as suas plantações de arroz.

Um dos terraços de arroz mais famosos é o Tegalalang, no entanto, ao visitá-lo, podes deparar-te com imensos viajantes e até ter de pagar entrada. Felizmente, no norte da ilha, o que não faltam são verdejantes cenários de uma prazerosa tranquilidade. De carro ou de mota, se te afastares ligeiramente das estradas principais, serás surpreendido com um destes cenários, ponteado aqui e ali por coqueiros, só para ti ou, quem sabe, partilhá-lo com alguns locais que por ali andem a trabalhar com uma relaxante banda sonora de água a correr.

Mas se quiseres ficar mesmo abismado, desloca-te até aos Terraços de arroz de Jatiluwih, listados como Património Mundial da UNESCO. Aqui, uma área de 600 hectares de campos de arroz que adoptam a topografia da colina de Batukaru encher-te-ão os olhos de vários tons de verde a perder de vista.

O dourado pôr do sol

O dourado pôr do sol
Fim do dia na Praia de Padang Padang créditos: Miriam Augusto

Se estamos numa ilha, não há nada como um bom pôr do sol para nos pôr com o espírito certo.

Em Bali, desde que estejamos na costa oeste, são várias as praias que nos oferecem uma despedida gloriosa do dia. Contudo, em Kuta, Seminyak e Canggu, há a prática diária entre viajantes e locais de, ao fim do dia, se juntarem na praia para uma despedida ao sabor de uma bebida refrescante. Por isso, pega numa Bintang, senta-te na areia e observa o sol desaparecer na linha do horizonte, enquanto fazes algumas amizades.

As praias de cartão postal

As praias de cartão postal
Embora a caminho da massificação, a Praia de Dreamland não deixa de ser uma referência créditos: Miriam Augusto

A maior parte dos viajantes, quando visita Bali, vai à procura de praias paradisíacas. Ainda que, a meu ver, não sejam das melhores do país, é possível encontrar alguns paraísos dignos de postais. Onde? Na Península de Bukit, a sul da ilha.

Areia branca, águas turquesa, vista para os melhores surf breaks mundiais e alguns corais à mistura, são algumas pérolas que Bali nos oferece.

No entanto, para quem procura um local mais tranquilo e familiar, com a possibilidade de fazer snorkelling e mergulho e ainda despedir-se do dia com um vulcão como cenário, a ponta nordeste da ilha é a melhor opção. Aqui, o ritmo de vida é lento, sendo o local ideal para as merecidas férias.

O surf de classe mundial

O surf de classe mundial
A mítica Uluwatu créditos: Miriam Augusto

Qualquer amante de surf sonha com as ondas da Indonésia.

Com vários surf breaks de classe mundial espalhados pelo país, a Península de Bukit, localizada precisamente no sul de Bali, é um dos locais mais procurados para a prática do desporto.

Começando em Jimbaran, passando por Balangan, Dreamland, Impossibles, Bingin, Padang Padang e acabando na mítica Uluwatu, são várias as ondas que fazem as delícias de surfistas novatos e experientes. E não, não vale ir a Bali e não te pores em cima de uma prancha de surf, ou tentares, pelo menos uma vez!

Se por acaso descobrires que o surf não é a "tua praia", podes sempre deixar-te envolver pela contagiante vibração da comunidade surfista.

O amigável povo Balinês

O amigável povo balinês
Os Balineses são extremamente simpáticos e devotos créditos: Miriam Augusto

Os Balineses são um povo extremamente simpático, amigável e educado. O seu lema: praticar o bem para receber o bem. Por isso, não duvides que serás bem recebido em Bali.

Sendo uma comunidade extremamente bem estruturada e unida pelos aspectos da vida social, todos os dias é possível testemunhar a elaboração das suas oferendas e orações. O convívio entre si, sempre com um sorriso disponível e um bom dedo de conversa para quem passa, é também uma característica deste povo.

Não estranhes se te perguntarem onde vais ou o que fizeste, sem sequer te conhecerem. Se retribuíres as questões, responder-te-ão com todo o gosto e uns bons minutos de conversa e risada se seguirão.

A extasiante Kecak & Fire Dance

Dança Kecak & Fire
Performers da Kecak & Fire Dance no Templo de Uluwatu créditos: Miriam Augusto

As Danças Balinesas fazem parte da expressão religiosa e artística do povo balinês, sendo a arte performativa mais antiga da ilha. Assistir a um destes espetáculos é quase que obrigatório para quem por lá passa.

Os sons, os trajes elaborados, as coreografias cuidadosas e extremamente expressivas e até o toque de comédia de algumas atuações, fazem deste um espetáculo imperdível que deixa qualquer um impressionado.

A Kecak & Fire Dance, de todas elas, é a minha preferida. Cerca de 40 homens, dispostos em circulo, entoam cânticos hipnóticos como se entrassem em transe à medida que o sol se põe sob o Templo de Uluwatu e, no centro, se dá vida à história com base no antigo épico indiano Ramayana. Imperdível!

Os relaxantes spas

Os relaxantes spas
A decoração com ornamentos naturais e cores relaxantes créditos: Miriam Augusto

Sabe sempre bem relaxar um pouco e Bali é o sítio certo para uma boa massagem ou tratamento em spa. Seja na praia, num salão de beleza mais humilde ou num verdadeiro spa, a oferta é imensa. Eu não perco uma boa massagem Balinesa de pelo menos 60 minutos que, sem dúvida alguma, se revelam revitalizantes. O sorriso à saída é sempre garantido!

Proximidade com outras ilhas

Proximidade com outras ilhas
O Parque Nacional de Komodo fica a cerca de 1h 30 min de avião créditos: Miriam Augusto

Bali ocupa quase que uma localização estratégica na Indonésia. Tudo fica à distância de uma viagem de barco ou avião.

Depois de explorares Bali, e tirares partido de algumas das razões que te vão fazer apaixonar pela Ilha dos Deuses, pega na mochila e parte à aventura pelo resto do país.


A The Wanderlust tem viagens agendadas para a Indonésia que te levam a vivenciar esta peculiar cultura bem como a explorar as maravilhosas ilhas de Bornéu, Sulawesi e o Parque Nacional de Komodo.

Com um custo de 1830€, a viagem “Indonésia, uma Terra de muitas terras com Miriam Augusto”, inclui o acompanhamento do líder, 13 noites de alojamento, transportes, 22 refeições, atividades programadas, guias locais e seguro de viagem. A experiência pela Indonésia está aberta a grupos entre os 5 e os 9 viajantes e as reservas podem ser feitas até 45 dias antes do início da viagem.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.