A Generali Global Assistance (GGA) anunciou os resultados do seu Barómetro Anual de Férias realizado em nome da sua empresa-mãe, a Europ Assistance, pela empresa de pesquisa de consumo Ipsos.

Este ano, o barómetro constatou que o número de americanos que indicaram que tirariam férias este verão permaneceu estável em 68%, igual ao número de entrevistados no Brasil (68%) e cinco pontos acima do número de entrevistados europeus (63%).

Houve várias diferenças interessantes quando se tratou das respostas de europeus, americanos e brasileiros este ano. Viajantes dos EUA indicaram que o seu orçamento de viagem para este ano foi reduzido em 10%, para US $ 2.373 (€ 2.131), enquanto os europeus indicaram que os seus orçamentos de viagens aumentaram em 3%, para € 2.019.

O aumento foi principalmente atribuível aos países da Zona do Euro (que exclui o Reino Unido, a Suíça e a Polónia), onde os orçamentos aumentaram para € 2.099 nesta região. Os viajantes brasileiros também indicaram que os seus orçamentos caíram quase 3%, chegando a R $ 5.058 (€ 1.138).

“Neste barómetro, observamos a consolidação de muitas das tendências positivas que reconhecemos nos últimos anos", disse Chris Carnicelli, CEO da Generali Global Assistance. "Embora os americanos tenham reduzido em 10% os seus orçamentos de viagem, ainda são os que gastam mais entre os países analisados”.

Os americanos são os últimos em termos do número de dias que irão passar de férias, com os entrevistados a indicar 1,4 semanas em média. Curiosamente, o Brasil é o que vai passar mais tempo de férias com 2,2 semanas, enquanto a Europa estava perto de uma média de 1,8 semanas. Embora 35 por cento ainda não tenha decidido sobre o seu destino, 50 por cento dos norte-americanos indicaram que viajariam internamente este verão. Em termos do tipo de destino, os viajantes americanos estavam divididos entre os destinos de praia (45%) e cidade (42%), enquanto os europeus (62%) e os brasileiros (50%) preferiam férias de praia.

Um ponto em comum refere-se ao orçamento que era o fator mais importante ao fazer planos para todos os viajantes europeus, americanos e brasileiros. Os americanos tiveram em conta atividades de lazer e culturais e o clima como segunda e terceira maiores considerações, respetivamente. O risco de um ataque pessoal e um ataque terrorista surge em quarto e quinto lugar para os americanos, enquanto comparativamente os brasileiros os classificaram como a sua quarta e terceira maiores preocupações.

Os europeus, por outro lado, classificaram o risco de terrorismo como a sua quarta maior preocupação, com o risco de um ataque pessoal a ocupar o sexto lugar. Dito isto, o número de viajantes que indicaram estar preocupados com o terrorismo caiu a todos os níveis, com percentuais de europeus, americanos e brasileiros a diminuir de seis a sete pontos em relação aos anos anteriores.

Os americanos são os mais adeptos de férias ao ar livre, com 46 por cento a referir que gostariam de passar as suas férias de verão a acampar no deserto. Apenas 28% dos europeus indicaram que fariam o mesmo. Os americanos também foram os mais propensos a trabalhar durante as suas férias, com apenas 54 por cento a confessar que iriam estar completamente desconectados - em comparação com o Reino Unido (76%), França (71%), Itália (67%) e Brasil ( 63%). Além disso, 50% dos viajantes americanos indicaram que gastariam entre 30 minutos a 2 horas de trabalho durante o período de férias.

A edição de 2019 do Cyber Barometer da Europ Assistance e da Ipsos foi realizada em 12 países, incluindo Estados Unidos, Reino Unido, Itália, França, Espanha, Suíça, Alemanha, Áustria, Portugal, Bélgica, Polónia e Brasil. Em cada país, 1.000 consumidores com 18 anos ou mais (16 anos ou mais no Brasil) participaram de um questionário online. A pesquisa foi realizada entre março e abril de 2019 e analisou os planos de férias do consumidor e as preferências de viagem.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.