Foto: David Emrich| Unsplash

Encerradas ao público há mais de 30 anos, as escadas de Haiku, também conhecidas como Escadaria para o céu ("Stairway to Heaven") , atraem cerca de 4000 visitantes por ano, segundo o site The Hill, devido às vistas e paisagens características da ilha. De acordo com as autoridades, citadas por esta fonte, o número de visitantes terá aumentado também com as redes sociais.

Apesar das belas razões para estas escadas atrairem turistas, a cidade nunca assegurou o acesso legal, existindo perigo real para quem as sobe. Segundo a CNN, ao longo dos anos foram registados vários incidentes com ferimentos. O mais recente aconteceu em abril deste ano. Um jovem de 24 anos feriu o joelho e acabou por ter de ser transportado via áerea.

As multas que podem chegar aos mil dólares (cerca de 850 euros), parecem também não desencorajar os turistas.

Foi por isso que, numa recente reunião, a assembleia municipal de Honolulo concordou de forma unânime em remover a escadaria, não só por causa dos altos custos de segurança, mas também para reduzir o incómodo nas comunidades locais e proteger o ambiente.

A cidade já reservou um milhão de dólares para avançar com a remoção, mas caberá ao autarca Rick Blangiardi tomar a decisão final.

A escadaria nasceu na época da Segunda Guerra Mundial, década de 1940, para a Marinha dos Estados Unidos se movimentar pelas montanhas enquanto construia a estação de rádio Haʻikū, que foi utilizada de forma confidencial para enviar sinais de rádio aos navios militares no Pacífico.

Os  3.922 degraus terminam numa montanha em Kaneohe, no lado leste de Oahu. E, embora as escadas não estejam abertas o público em geral, os turistas continuam a seguir o trilho, acabando por saltar vedações de residências privadas e por passar por quintais para chegar à famosa escadaria.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.