A viagem de ida custa 1.500 ienes (aproximadamente 11,64 euros) e os passageiros usam uma aplicação de smartphone para fazer reservas online e desbloquear as portas do veículo no início da viagem.

Enquanto mais de 1.500 pessoas se candidataram a passageiros, o projeto piloto fará apenas quatro viagens de ida e volta por dia até 8 de setembro de 2018. Por enquanto, um motorista e um assistente irão a bordo para assumir o controle do veículo caso ocorra algum erro.

O teste foi um "passo precioso" em direção a operações comerciais completas, diz o presidente da Hinomaru Kotsu, Kazutaka Tomita. O objetivo é ter um serviço automático de táxi para os Jogos Olímpicos de Verão de 2020, em Tóquio, para que os atletas e turistas possam ser transportados entre as instalações desportivas e o centro da cidade.

Se este primeiro teste for um sucesso, testes de acompanhamento serão realizados ainda este ano entre o aeroporto de Haneda e os centros de transporte do centro da cidade.

Os táxis autónomos também poderiam ajudar o Japão a lidar com a atual escassez de motoristas, bem como com o envelhecimento da população, que pode não ser capaz de conduzir sozinha ou usar os transportes públicos.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.