Numa fase posterior, o artista irá perfurar a lona e plantar pequenos girassóis no interior.

Todo o processo de crescimento dos girassóis será fotografado em sequência ao longo do tempo, para mostrar como minúsculos girassóis crescem e dominam completamente o símbolo de um homem que se sente invencível.

Depois, todo o tecido será reciclado e transformado em cadeiras de praia.

O simbolismo do Project Closer tem várias camadas. O artista quer enfatizar como as pessoas continuam vulneráveis mesmo quando tentam blindar-se e proteger-se do perigo.

O estádio Rei Balduíno é, portanto, o local ideal, logo no início da Europeu. O que nos lembra de um lugar onde as pessoas querem se reunir e comemorar, mas onde a Covid nos mostrou como todos somos vulneráveis.

Wim Tellier foi o primeiro artista do mundo que expôs uma instalação de arte de 30 mil metros quadrados no Ártico. E com os seus projetos de arte, viajou por mais de 75 países.

Graças a uma parceria única com uma marca de máquinas fotográficas, Wim Tellier conseguiu imprimir a enorme foto de 500 gigas juntamente com a sua família. Depois de imprimir, Wim Tellier teve de encontrar uma empresa que pudesse costurar a enorme fotografia.

Uma pequena empresa familiar, Zeilmakerij Borremans, aceitou o incrível desafio de costurar a foto de 3 mil quilos. Por causa do tamanho, era como trabalhar de olhos vendados.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.