O altar talhado em rocha calcária, de quase uma tonelada, foi encontrado no sítio arqueológico La Corona no departamento de Petén, na fronteira com México e Belize, disse aos jornalistas Tomás Barrientos, codiretor do projeto que realiza as escavações no local.

Barrientos explicou que o altar foi encontrado num templo e mostra o rei Chak Took Ich'aak, governante de La Corona, "sentado e segurando um cetro do qual emergem dois deuses padroeiros da cidade".

Segundo os estudos, a peça de 1,46 por 1,20 metro contém uma inscrição de hieróglifos maias datados de 544 d.C.

Segundo pesquisas anteriores, baseadas noutras descobertas, sabe-se que o mesmo rei governou, 20 anos depois, a cidade próxima de El Perú-Waka'.

O especialista indicou que essas evidências mostram que os senhores de Kaanul ou o Reino da Serpente começaram em La Corona um movimento político que os levou a derrotar seus rivais de Tikal em 562 D.C., e a governar as terras baixas maias, no sudeste da Mesoamérica, por quase dois séculos.

Sítio arqueológico de Tikal
Sítio arqueológico de Tikal créditos: AFP

Guerra dos Tronos maia

Barrientos apontou que os "movimentos políticos" baseavam-se em alianças com cidades pequenas em volta de Tikal, para depois dar o golpe final.

Dentro dessas manobras para concretizar objetivos, está o casamento de uma princesa do Reino da Serpente com o rei de La Corona, acrescentou Barrientos.

"O altar mostra uma parte da história da Guatemala e neste caso, aproximadamente há 1.500 anos, eu diria que é a versão de Game of Thrones da história maia", disse Barrientos, ao comparar as estratégias de Kaanul com a popular série de fantasia medieval sobre famílias nobres disputando o controlo de sete reinos.

5 subtilezas de uma Guatemala autêntica
5 subtilezas de uma Guatemala autêntica
Ver artigo

Barrientos mencionou que com a descoberta do altar vão-se "preenchendo vazios" e "montando o quebra-cabeças" das relações políticas da cultura maia.

O altar "é uma obra de arte de altíssima qualidade que nos mostra que são governantes que estavam a entrar numa época de muito poder e que procuravam alianças uns com os outros para competir, neste caso, com Tikal", acrescentou.

Explicou que La Corona "foi o lugar onde começa a criação do movimento político mais importante na história maia".

O Reino da Serpente expandiu-se a partir da sua capital Dzibanche, próxima ao que hoje é o norte da Guatemala, Belize e o estado mexicano de Campeche.

Depois de governar por 200 anos todo o Petén, foram finalmente derrotados pelos senhores de Tikal.

Fonte: AFP

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.