Mas como pode acontecer a todos, recentemente aconteceu-nos duas vezes seguidas, numa viagem para Miami e, logo de seguida, para as Maldivas.

Sabem aquela sensação horrível de olhar para o tapete das bagagens e nunca mais chegar a nossa… é pior do que parece! Acreditem, acontece mais do que imaginam, por isso devemos estar preparados.

Para Miami fomos apanhados desprevenidos, para as Maldivas já tínhamos um plano B: duas malas de cabine bem apetrechadas, uma troca de roupa para cada um, uns chinelos, calção de banho e biquini.

Pensámos nós que desta forma poderíamos evitar qualquer azar momentâneo, mas estávamos redondamente enganados, por vezes a realidade é bem pior que todos os cenários que imaginamos.

Uma coisa é ficares sem malas em Miami, sais à rua e tens inúmeras de lojas. Outra bem diferente é ficares sem malas nas Maldivas e ainda por cima numa ilha remota, apenas acessível via 45 minutos de hidroavião. Não existe literalmente nada para comprar…

Estás numa ilha a 45 minutos de hidroavião do aeroporto e dás por ti numa cena da “Aldeia da Roupa Branca”. Se só tens uma peça de roupa, é bom que a laves… todos os dias, e nós somos 4.

Ficámos 6 dias completos sem malas e, pensam vocês, clima quente, areia, água… num paraíso tropical é fácil de suportar. Mas 6 dias é um exagero!

Sem protetor solar, medicamentos, artigos de higiene pessoal (o nosso hotel foi espetacular no kit que nos disponibilizou), escova de cabelo, os divertimentos dos miúdos e, já agora, mais alguma roupa – ao fim de seis dias já dás nas vistas, “lá vem a família da t-shirt branca e calções de ganga”.

Estamos sempre a aprender, da próxima vez que voarmos para um lugar remoto, levamos plano A,B,C… e D!

Extravio de bagagem: Quando chegas ao paraíso e as tuas malas não
créditos: VIAGENSA4

Então vamos lá relembrar algumas regras que devem seguir, caso alguma vez vos aconteça:

PRIORITÁRIO

Ter sempre um plano B, sempre!

Regra 1

Ok, as nossas malas não aparecem no tapete, nunca sair da zona de recolha de bagagem sem contactar o responsável local da companhia aérea ou o gabinete responsável pelo handling.

Desse contato deve sair preenchido o PIR – Property Irregularity Report – em português Registo de Irregularidade de Bagagem.

O PIR deve ser sempre preenchido quando alguma coisa acontece com a nossa bagagem (extravio, partir, sujar, roubo, etc). O PIR ou RIB é preenchido pela companhia aérea, contém informações sobre a bagagem (cor, tamanho, particularidades) e um número de rastreio usado para todos os contactos acerca da mesma.

Regra 2

Informe-se junto da companhia aérea das condições para aquisição de produtos básicos (valor e tipo de produtos), assim como o procedimento a seguir.

No nosso caso o hotel forneceu-nos alguns itens de primeira necessidade, escova de dentes e produtos de higiene pessoal.

Regra 3

Nunca se esqueça de guardar todos os recibos – artigos de higiene pessoal, protetor solar, vestuário adequado ao clima no destino (chinelos, t-shirts, calções) e roupa interior são suportados pela companhia aérea.

Ficámos a saber que num destino como as Maldivas, onde dificilmente consegues um recibo sem ser num hotel, as companhias atribuem uma indemnização mesmo sem apresentar recibos (máximo €100/dia/pessoa e no máximo por 3 dias).

EXTRAVIO DE BAGAGEM | DICAS

• Coloque sempre uma muda de roupa na bagagem de mão;

• Nunca perder os talões de registo de bagagem;

• Não abandonar o local de recolha de bagagem sem contactar a entidade responsável;

• Preencher sempre o documento PIR;

• Informar-se dos seus direitos junto da companhia aérea;

• Acionar o seguro de viagem;

• Caso a viagem tenha sido adquirida com um cartão de crédito, acionar as coberturas do mesmo;

• Se a bagagem “não aparecer”, tem direito a uma indemnização;

Boas viagens e boa sorte!

Acompanhe as nossas aventuras no Instagram Viagensa4

Artigo originalmente publicado no blogue Viagensa4

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.