Localizada no topo do chamado Monte da Lua, devido a uma forte tradição local de cultos ancestrais, e não muito longe do mar, Sintra tem uma atmosfera mágica, muito por conta da neblina que habitualmente envolve a vila. Conhecida, essencialmente, pelos seus edifícios românticos do século XIX, que lhe valeram a classificação da UNESCO de Património Mundial, Sintra beneficia ainda de estar envolvida na luxuriante vegetação do Parque Nacional Sintra-Cascais.

Palácio da Pena
Pena Palace in Sintra, Portugal. © Iralis | Dreamstime.com créditos: Dreamstime
Surf em Cascais: 300 dias de sol por ano num cenário com muito glamour
Surf em Cascais: 300 dias de sol por ano num cenário com muito glamour
Ver artigo

Erguido sobre um monte, o Palácio Nacional da Pena é o expoente máximo do romantismo português do século XIX, fruto do génio criativo do rei consorte Fernando II. A parte mais antiga do palácio resulta da remodelação de um antigo convento datado de 1511, enquanto que a parte mais recente foi terminada já no século XIX. Fortemente influenciado pelos castelos românticos alemães, este lindíssimo palácio real permite-nos ter um vislumbre sobre a alma e os sonhos de D. Fernando, que ficou conhecido como o rei artista. Foi também ele o responsável pela plantação do Parque da Pena que rodeia o palácio, uma zona verde que acolhe mais de 500 espécies diferentes de vegetação.

Castelo dos Mouros
créditos: Moorish Castle, Sintra. © Matthew Trommer | Dreamstime.com

Isolado num dos cumes da Serra de Sintra, o Castelo dos Mouros está rodeado de uma paisagem única, que oferece vistas de cortar a respiração sobre o Oceano Atlântico. Construído no século X, quando os muçulmanos ocupavam a Península Ibérica, a estrutura que hoje podemos ver é o resultado de diversas intervenções arquitectónicas sofridas ao longos dos séculos. A última remodelação aconteceu já no século XXI e contemplou a sua envolvente romântica, criada exatamente como o rei Fernando II tinha idealizado no século XIX.

Palácio Nacional de Sintra
créditos: Portugal. © Sean Pavone | Dreamstime.com

As origens do Palácio Nacional de Sintra, localizado no centro histórico da vila, remontam ao século XI, por altura da ocupação muçulmana. Com a Reconquista Cristã levada a cabo por D. Afonso Henriques, o primitivo palácio passou para as mãos da coroa portuguesa. Ao longo dos séculos, vários foram os monarcas que restauraram e fizeram alterações ao palácio, mas o seu aspecto atual resulta das intervenções realizadas nos séculos XV e XVI. Este Palácio acolhe a maior coleção de azulejos Mudéjar do país, apesar de serem as suas inusitadas chaminés o elemento que mais se destaca.

A padaria que viria mais tarde a chamar-se Piriquita foi fundada em 1862. O nome advém da alcunha com que o rei D. Carlos apelidava a mulher do proprietário, uma senhora de baixa estatura. O rei adorava as Queijadas que ali se fazem e cuja receita remonta aos tempos medievais. Na verdade, terá sido o rei, que costumava passar o verão em Sintra, que incentivou o casal a fazer as Queijadas. À semelhança de D. Carlos, muitos foram os que se apaixonaram por esta doçaria e o sucesso foi enorme, mantendo-se até aos dias de hoje. Atualmente a Piriquita é uma espécie de instituição em Sintra, no que à doçaria diz respeito, já que para além das famosas Queijadas de Sintra, há outros doces que não lhes ficam nada atrás!

Monserrate
créditos: Monserrate Palace in the village of Sintra, Portugal. © Emanuele Leoni | Dreamstime.com

O Palácio e os Jardins de Monserrate são das mais belas paisagens e criações arquitectónicas do período romântico em Portugal. Numa combinação de influências góticas, hindus e mouriscas, com motivos verdes e exóticos, este palácio é absolutamente fabuloso. Os jardins acolhem mais de 3 mil espécies de flora organizadas por áreas geográficas, o que os converte em riquíssimos Jardins Botânicos. Propriedade de um abastado industrial inglês, este palácio tem encantado os visitantes ao longo dos tempos. Entre os famosos que já conheceram este espaço encontra-se o poeta Lord Byron que se apaixonou de tal forma pela propriedade que lhe dedicou um poema.

Quinta da Regaleira
créditos: Quinta da Regaleira in Sintra. © Sean Pavone | Dreamstime.com

A Quinta da Regaleira é muito mais do que um simples palácio, é um conjunto de jardins luxuriantes, torres, estátuas, grutas misteriosas, nascentes de água, lagos, fontes e uma série de construções extraordinárias. Tem tanto de belo quanto de misterioso e é um local famoso pelas suas conotações alquímicas e sagradas. A sua origem remonta ao ano de 1697 e ainda hoje é um espaço absolutamente surpreendente.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.