A região da Bairrada tem uma forte cultura vitivinícola e gastronómica e beneficia de uma excelente localização, entre dois importantes centros turísticos: Aveiro e Coimbra. A Rota da Bairrada pretende promover o território e propor aos turistas uma nova forma de conhecer o território. A sede da Rota está localizada na antiga estação de comboios da estância termal de Curia e é um espaço totalmente dedicado à Bairrada.

O edifício, construído por Cottinelli Telmo e inaugurado em 1944, mantém a traça original, incluindo as salas de espera dedicada à primeira classe e à classe turística. O edifício guarda também quatro painéis de azulejos elaborados por Jorge Barradas, em 1945. A antiga estação acolhe o Espaço Bairrada onde é possível comprar vinhos, artesanato local e alguns produtos regionais. Além de provas de vinhos e azeites, existem outras atividades disponíveis como jogos de aromas.

Associação Rota da Bairrada
Foto: Pedro Cerqueira créditos: pedrocerqueira.com

A região da Bairrada é constituída sobretudo por pessoas com amor pelo território como é o caso de Luís Pato, cuja família produz vinho na Quinta do Ribeirinho desde, pelo menos, o século XVIII. Apesar da longa história, o olhar está sempre no futuro, na procura de coisas novas e irreverentes. Luís Pato mantém o espírito aventureiro e inconformista, desde 1980, quando produziu o seu primeiro vinho. O produtor dedica-se essencialmente vinhos monocasta e às castas autóctones, produzindo apenas vinhos vegan.

A grande paixão de Luís Pato é o território. "A nossa missão é a Bairrada, para nós não faria sentido fazer vinho noutro local", afirma o produtor. A adega está aberta ao enoturismo desde 2002 e o principal objetivo é dar a conhecer o território e explicar porque motivo cada vinho é diferente e de que forma o solo em que as vinhas são plantadas influencia o resultado final. Assim, os vinhos da Bairrada são únicos e isso deve-se, sobretudo, ao território em si.

Adega Luís Pato
Foto: Pedro Cerqueira créditos: pedrocerqueira.com

"O vinho faz-se na vinha, não é na adega", acrescenta Luís Pato, colocando assim o território primeiro, como que enaltecendo a Bairrada acima de tudo. Quando se diz que o vinho se faz na vinha, coloca-se o mérito na região, na terra, nas suas características distintas que assumem uma importância muito superior a qualquer adega existente, por muito sofisticada que seja. O foco está nas uvas, na vinha, na terra e na região.

Luís Pato recebe turistas na Adega desde 2002 e, seja numa prova de vinhos ou num almoço, faz questão de contar sempre a história do seu vinho e da região. Na Adega, em Amoreira da Gândara, é possível conhecer a garrafeira pessoal e a cave. Na loja existente no local, os visitantes podem adquirir alguns dos seus produtos.

A cerca de 20 quilómetros da Adega Luís Pato, em Ferreiros, Anadia, encontramos a empresa Caves do Solar São Domingos que, desde 1937, produz Espumantes, Aguardentes e Vinhos. Existem três espaços amplos no edifício, a Sala das Barricas, a Sala Bairrada e a Sala Baga. Durante as visitas guiadas é possível descer às galerias onde existem 2 milhões de garrafas de espumante e apreciar os mais de 80 anos de história e tradição das Caves São Domingos.

Caves do Solar de São Domingos
Foto: Pedro Cerqueira créditos: pedrocerqueira.com

As galerias são um verdadeiros mundo subterrâneo para descobrir, onde os visitantes se podem sentir o  Indiana Jones  em busca do Santo Graal. As laterais estão "forradas" com garrafas de espumantes que aparentam estar ali há muitas décadas, a temperatura é bastante mais baixa para permitir a sua conservação. Algumas das galerias mais antigas foram cavadas diretamente na rocha que apresenta uma coloração em tons de vermelho, dando origem às caves vermelhas. O autor da escavação não era muito alto, tendo cavado o túnel à sua medida pelo que é necessário que a maioria dos visitantes se baixem para passar. Não é aconselhável a claustrofóbicos.

Para além dos famosos espumantes - produzidos com método tradicional - as Caves do Solar de São Domingos são conhecidas pelas aguardentes velhas, aguardentes bagaceiras e também, pelos vinhos. Na Bairrada, sobre a mesa não pode faltar, além do espumante, o Arroz de Cabidela de Leitão e Leitão Assado à Bairrada, que pode ser provado nas Caves São Domingos, sob marcação prévia.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.