À primeira vista é impressionante. Uma enorme massa de água a escorrer numa das paredes do arranha-céus Liebian, de 120 metros. A queda de água artificial de 108 metros mudou o cenário da cidade de Guiyang.

Quando foi ativada da primeira vez, muitos moradores pensaram tratar-se de uma fuga de água do edifício. Depois, muitos ficaram maravilhados com esta obra engenhosa gerida pela Guizhou Ludiya Property Management Co., que também já foi alvo de críticas pelo desperdício de água e pelos altos custos: 100 euros de energia por hora.

A empresa já se justificou: a água que alimenta a cascata é subterrânea, reciclada e da chuva. Existem quatro sistemas de armazenamento e drenagem de água subterrânea. A empresa acredita que a cascata artificial vai atrair muitos turistas à cidade. Veja as fotos e tire as suas conclusões:

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.