As pessoas vão sempre viajar desde que seja possível fazê-lo. Mas as várias restrições impostas pela pandemia do coronavírus significam que as viagens serão um pouco diferentes este ano, dando lugar a viagens para destinos mais próximos e de mais curta duração.

Várias sondagens indicam que o turismo doméstico será o foco deste ano. Mas há regiões onde o rendimento gerado pelo turismo internacional será difícil de substituir.

Por isso mesmo, alguns destinos estão a adotar estratégias mais criativas, ponderando incentivos monetários e outros para atrair viajantes. Em baixo, apresentam-se algumas dessas estratégias para atrair turistas internacionais.

Regiões turísticas poderão cobrir custos de alojamento

Manlio Messina, Vereador do Turismo na Sicília, anunciou uma iniciativa para promover o turismo na ilha italiana. Quando turistas internacionais fizerem uma reserva de duas noites, recebem a terceira noite de graça. Uma estadia de 6 noites resulta na oferta de 2 noites extra.

Uma medida semelhante foi anunciada do outro lado do oceano em Cancun, México. Toda a estratégia de marketing da região foi construída à volta do número “2”, com vários hotéis e outros operadores de turismo a juntarem-se para lançar um plano atraente.

Alguns exemplos incluem receber 2 noites gratuitas por uma reserva de 2 noites ou estadia gratuita para 2 crianças quando 2 adultos fazem uma reserva. Até empresas de aluguer de viaturas participam no projeto, oferecendo 2 dias gratuitos para reservas de 2 dias.

Espera-se também uma nova tendência mundial no que se refere ao setor do alojamento local (especialmente para empresas como o AirBnB e a Booking). Como também foram drasticamente impactados pelas medidas de confinamento mundiais, muitos proprietários e gestores de propriedades procuram recuperar prejuízos.

Isto levará possivelmente a ótimas ofertas, especialmente nos primeiros meses após o fim das medidas de confinamento. Neste sentido, prevê-se que alojamentos premium possam ser alugados a preços mais baixos para incentivar a procura.

Empresas de armazenamento de bagagem estão diretamente ligadas a este setor do mercado e, por isso, oferecerão também descontos para ajudar viajantes a aproveitar melhor as suas férias.

Países poderão pagar voos

A Agência de Turismo do Japão anunciou a sua campanha Go to Travel que poderá ter início já em julho e que implica o financiamento de uma parte das despesas do turismo doméstico. A medida está a ser considerada como uma forma de estimular o turismo doméstico que sofreu um golpe mais duro depois do adiamento dos Jogos Olímpicos para 2021 e do aumento de restrições de viagens para cerca de 70 nacionalidades.

Dados do governo revelam uma redução de 99,9% no setor do turismo internacional em abril em comparação com o ano anterior. Estima-se que apenas 2.900 estrangeiros tenham visitado o Japão em abril deste ano.

O governo de Sicília está também a ponderar cobrir metade dos custos das tarifas aéreas de turistas que pretendam passar as suas férias em Itália. Atualmente, o setor do turismo representa 13% do PIB nacional e o governo procura de formas de poupar depois do difícil período de confinamento.

A Grécia pretende cortar os impostos sobre valor acrescentado e impostos sobre bens e serviços em todos os meios de transporte, o que significa que bilhetes de avião, autocarros e comboios serão mais baratos.

Para recuperar a confiança de viajantes, o governo de Chipre pretende reembolsar os custos de viagens a todos os turistas que tenham resultados positivos no teste de coronavírus depois de visitar o país, procurando assim dar mais segurança aos turistas e aumentar a procura no setor do turismo.

…ou oferecerão mais tempo para viajar

A Primeira-Ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, encorajou empresários e gestores a ponderar maior flexibilidade no trabalho para oferecer semanas de 4 dias de trabalho e 3 dias de fim de semana. Esta seria uma ótima oportunidade para permitir aos trabalhadores viajar mais, ser mais produtivos e ajudar a reconstruir a economia do país através do turismo doméstico.

Assentos do meio vazios e milhas mais baratas

Como medida de segurança extra, muitas companhias aéreas estão a manter os lugares do meio vazios, mas é certo que a manutenção deste espaço extra não poderá durar muito pelo impacto financeiro que implica.

Não obstante, a Delta Airlines assegura que continuará a bloquear marcações de assentos do meio até dia 30 de setembro e nos seus aviões de filas de dois lugares, alguns lugares de corredor manter-se-ão desocupados.

A JetBlue irá também bloquear a reserva de assentos do meio até pelo menos dia 6 de julho e a American Airlines permitirá passageiros no check-in a não embarcar se o avião estiver lotado, colocando-os em lista de espera para um voo mais vazio.

Os parques temáticos pela Europa pensam da mesma forma, com o exemplo do The Europa-Park na Alemanha que manterá cada segundo assento vazio, para além de ter adotado outras regras para reabrir de forma segura.

No que se refere à compra de milhas, muitas companhias aéreas reduziram os seus preços ou oferecem extras gratuitos por forma a estimular vendas durante um período de falta de liquidez tão crítico.

Em abril, era possível comprar uma milha por 1,6 cêntimos na American Airlines e em maio a Alaska Airlines ofereceu um desconto de 60%, reduzindo o custo por milha para 1,72 cêntimos.

A Air Canada começou a vender milhas em maio por 1 cêntimo (para a venda das primeiras 10 milhões de milhas), aumentando o custo para 1,1 cêntimos por milha numa segunda venda de mais 10 milhões de milhas. Para as vendas seguintes, o preço subiu para 1,3 cêntimos por milha.

Além disso, as primeiras fases de reconstrução do setor do turismo implicarão um maior foco na conquista de clientes em vez de contar lucros – o diretor executivo do Grupo Ryanair já anunciou uma “guerra de tarifas” para estimular a procura. Companhias aéreas low cost estarão em competição para ganhar a confiança de turistas o mais rapidamente possível, o que levará certamente vendas abaixo de custo e viagens quase gratuitas.

Entradas e comodidades gratuitas

A Bulgária é conhecida pelos seus resorts de praia acessíveis, mas no verão de 2020 os turistas poderão vir a ter ainda menos custos tendo em conta que muitas praias terão entradas gratuitas e incluirão a oferta de comodidades como chapéus de sol e espreguiçadeiras.

A Sicília oferece também entradas gratuitas a vários museus e locais arqueológicos que incluem o Vale dos Templos de Agrigento e a Villa Romana del Casale.

Fonte: LuggageHero

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.