"Na quinta posição no ano passado, Telavive torna-se a cidade mais cara do mundo" pela primeira vez, destaca a publicação em comunicado.

Esta posição reflete "a vitalidade da moeda israelense, o shequel, perante o dólar, já que o indício toma como base comparativa os preços em Nova Iorque", diz o estudo.

Paris e Singapura aparecem empatadas no segundo lugar, seguidas de Zurique e Hong Kong. Nova Iorque está em sexto.

No ano passado, a lista era encabeçada por Paris, Zurique e Hong Kong, as três na primeira posição.

Segundo o estudo, a subida dos preços é a maior em cinco anos, a 3,5%.

"Os problemas das cadeias de abastecimento contribuíram para o aumento dos preços, a COVID-19 e as restrições sociais continuam a pesar na produção e no comércio no mundo", prossegue a The Economist.

Os preços dos transportes dispararam devido ao encarecimento dos combustíveis, continua o estudo. Mas o tabaco e o lazer também tiveram fortes aumentos.

O estudo também destaca a inflação galopante em Damasco, Caracas, Buenos Aires e Teerão.

A capital síria é, segundo o texto, a cidade mais barata para se viver.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.