As "bolhas sanitárias" (vacinação obrigatória, testes múltiplos) impostas aos navios quando as viagens foram retomadas na primaverade 202 1 não foram suficientes para conter a pandemia.

Em Hong Kong, o cruzeiro "Spectrum of the Seas" da Real Carribean, foi obrigado na passada quarta-feira a regressar ao porto mais cedo, ao detectar nove casos de COVID entre os 3.700 passageiros.

Na Itália, pelo menos 45 viajantes dos 4.813 que navegavam no "Grandiosa", da companhia MSC, foram colocados em quarentena no porto de Génova; na Espanha, 3.000 passageiros do "AIDAnova" desembarcaram em Lisboa em vez de nas Canárias depois da detecção de 68 casos positivos.

No Brasil, as próprias empresas de cruzeiros decidiram suspender as travessias até ao dia 21 de janeiro, devido a "divergências" com as autoridades de saúde sobre a aplicação dos protocolos anticovid definidos há dois meses.

Nos Estados Unidos, as autoridades sanitárias (CDE) aumentaram o limite de alerta e recomendam evitar os cruzeiros, inclusive para pessoas vacinadas.

"Os casos detectados nos cruzeiros representam apenas uma pequena minoria da população total a bordo e a maioria é assintomática ou de natureza benigna, representando uma carga mínima ou nula para os serviços médicos a bordo ou em terra", afirmou em nota a associação internacional de cruzeiros, que se declarou "perplexa" com as recomendações da CDE.

"O que aprendemos com esta pandemia é que nada é 100% à prova do vírus, nada", afirmou à AFP um executivo de uma grande companhia mundial que deseja permanecer no anonimato.

A ómicron trouxe outro duro golpe para um mercado que, em 2019, representava 49 bilhões de dólares e que viu a sua atividade completamente paralisada durante um ano a partir de março de 2020, segundo o estudo de Roland Berger.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.