Construída em 542 perto da Hagia Sophia, então catedral e agora mesquita, a basílica fazia parte de uma rede de mais de 100 cisternas iniciadas pelos romanos e concluídas pelos bizantinos e otomanos para abastecer a cidade e os palácios de água.

Conhecida na Turquia como Yerbatan Sarnici ("cisterna enterrada"), as suas fileiras de colunas ficaram famosas numa cena do filme de James Bond "Moscovo contra 007", filmado em 1963.

Mas o medo de implosão da basílica pelo mínimo abalo de um terremoto em Istambul levou a cidade a encerrar o local em 2017 para reforçar a estrutura e restaurá-la.

Ficou completamente fechada após a pandemia de coronavírus em 2020, período no qual os trabalhadores reforçaram e limparam o palácio aquático de 138 por 65 metros, disse a subchefe do Departamento de Património Histórico do município, Aysen Kaya.

Nas cornijas das 336 colunas que sustentam o teto subterrâneo, foram instaladas varas de aço dispostas em 12 fileiras. As paredes de tijolos foram limpas dos vestígios de tentativas de restauração anteriores.

"Ao raspar as camadas adicionais de cimento, deixamos o tijolo exposto", comentou Kaya, ao apontar dois canos que ficaram em evidência pelas novas obras: um que levava água para Aya Sofia, e outro, para um palácio que existia antes dos sultões construírem o harém Topkapi, ao lado.

A Cisterna Basílica poderia armazenar quase 80.000 litros de água provenientes de aquedutos em montanhas situadas 19 quilómetros ao norte. Isso ajudou os bizantinos a protegerem-se da seca do verão.

Medusa de cabeça para baixo

A reforma eliminou uma ponte para turistas localizada a 1,6 metro acima do solo, o que permite que os visitantes se aproximassem a meio metro da água.

Mas, para além das mudanças estruturais, a basílica foi impregnada de uma sensação mística, quase espiritual, onde as cores mutáveis das luzes estroboscópicas alteram a perspectiva das pessoas e revelam novos detalhes.

Uma famosa cabeça de Medusa que adorna dois dos pilares - gravadas de cabeça para baixo, segundo a lenda, para que as pessoas que a vissem não se transformassem em pedra - agora parece mais vívida e aterrorizante.

No coração da estrutura, representando a arte e as técnicas do momento, foram inseridas obras contemporâneas para maior efeito, como uma mão que emerge da água.

Uma medusa translúcida, moderna, parece dançar entre as colunas, iluminada pelo arco-íris de cores que iluminam o quarto escuro com um suave resplendor.

"Queríamos uma instalação de luzes que não tirasse nada da atmosfera mística do palácio", explicou Kaya.

A fila de turistas para entrar na cisterna no calor do verão de Istambul atesta o sucesso do restauro.

"Absolutamente incrível, totalmente único", comentou Nick Alatti, um turista britânico, de 40 anos.

"Nunca vi um lugar assim antes, e viverá comigo por muito tempo", completou.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.