1. Destinos desconhecidos

Graças ao excesso de turismo nas principais cidades do mundo, com lugares que estão mesmo a limitar a presença de visitantes, os turistas irão procurar cada vez mais destinos menos conhecidos. O rápido crescimento do turismo em cidades como Amesterdão, Paris e Veneza faz com que os turistas optem por destinos semelhantes às grandes cidades, porém menos lotados e menos dispendiosos: em vez de visitarem Barcelona, por exemplo, poderão escolher Sevilha ou Valência.

2. Turismo gastronómico autêntico

Durante o último ano uma das grandes tendências das redes sociais foi a partilha das refeições feitas nos restaurantes mais aclamados. O futuro do turismo culinário, no entanto, vai-se afastar de refeições caras para experiências alimentares mais autênticas: visitar os mercados locais e jantar com os habitantes do país que estão a conhecer.

O Japão, por exemplo, será de interesse para os turistas de gastronomia pela sua cozinha única, mercados tradicionais e experiências inovadoras de jantar temáticos. Mais existem outros países a visitar, se é um amante de boa comida, veja aqui.

3. Novas experiências

As viagens já não serão apenas sobre conhecer sítios novos. Uma das tendências deste ano será viagens que procuram oferecer uma realização. Os viajantes cansados de fazer sempre o mesmo procurarão experiências de viagens que lhes permitam alcançar um objetivo ou realizar algo que nunca fizeram antes, como correr uma maratona pela primeira vez, escalar o Monte Kilimanjaro ou caminhar pelos Caminhos de Santiago, por exemplo. Conheça aqui as nossas sugestões de aventuras e experiências para 2018.

Veja também 25 destinos e experiências para este ano:

4. Trabalhar e viajar

A tendência de “bleisure” (que vem dos termos em inglês business + pleasure) do ano passado, que mistura negócios com lazer, refere-se aos viajantes de negócios que estendem o tempo da viagem para poderem aproveitá-la melhor. Hoje em dia cada vez mais existe a oportunidade dos funcionários estenderem as viagens de negócios por mais alguns dias ou mesmo semanas para viagens pessoais, e é por isso que a tendência “bleisure” terá ainda mais força.

5. Hotéis focados na comunidade

Muitos hotéis vão apostar na criação de grandes espaços comuns para os hóspedes, em vez de ampliar o tamanho dos quartos individuais. Os viajantes de hoje procuram cada vez mais acomodações com espaços designados para sair e conhecerem os outros, semelhante a um conceito de albergue.

6. Novas tecnologias nos hotéis

Investir em novas tecnologias será uma grande prioridade para os hotéis, uma vez que muitos dedicarão orçamentos mais altos para melhorar os serviços Wi-Fi, por exemplo. Num esforço para tornar o hotel mais confortável e transparente, os hotéis irão investir em novidades como inteligência artificial, check-in e check-out automatizados e aplicações móveis que atendam às necessidades dos hóspedes dentro e fora do hotel; com fácil acesso aos recursos e serviços do hotel a partir da palma das mãos, os hóspedes poderão personalizar a sua estadia. Em Portugal, já existem alguns hotéis que estão a apostar em inovações tecnológicas e sustentáveis. Como o Evolution Lisboa ou o Vila Galé Porto Ribeira.

7. Viagens multigeracionais

As viagens solitárias, ou individuais, foram uma tendência importante em 2017, especialmente para o género feminino. Embora permaneça uma tendência para 2018, assistiremos a um grande aumento no interesse de viagens multigeracionais. Os membros da família de todas as idades, incluindo pais, filhos e avós, viajarão juntos para criarem novas memórias e aproveitarem da companhia uns dos outros. As opções para todas as idades serão uma necessidade para a indústria, seja a acomodação ou atividades, pois precisarão de atender às necessidades de diversas faixas etárias.

Conheça aqui 20 tipos de viagens para fazer uma vez na vida:

8. Viagem consciente

As viagens sustentáveis foram uma grande tendência de 2017, porém em 2018 serão ultrapassadas pelas viagens conscientes. Embora a viagem sustentável se concentre principalmente na pegada de carbono do viajante e na economia local, as viagens conscientes incluem ainda o elemento adicional da comunidade.

Mais do que nunca, os viajantes estarão atentos ao seu impacto sobre a economia, bem como na vida daqueles que vivem no destino que visitam. Além de fazerem esforços conscientes para fazerem excursões ecológicas e comprarem produtos orgânicos nos mercados locais, os viajantes gastarão o seu dinheiro de forma a beneficiar a economia local e a comunidade, em vez de em grandes corporações e empresas de investimento estrangeiras. Isso inclui optar por pequenos hotéis e lojas locais. E existem pequenos gestos que podem fazer a diferença, saiba aqui quais são.

Fonte: momondo

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.