O programa, que decorre até 15 de setembro, inclui mais de 800 atividades gratuitas organizadas pelos centros Ciência Viva do país, em colaboração com instituições e associações científicas, municípios e empresas.

Pela primeira vez, a iniciativa tem este ano atividades pagas, mais de 30 com um custo variável entre os 3 e os 20 euros.

"São atividades que envolvem mais recursos humanos e materiais", esclareceu à Lusa a presidente da Ciência Viva - Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, Rosalia Vargas.

De futuro, o programa terá em simultâneo atividades gratuitas e com "um custo simbólico", para as que assim o exijam.

As atividades, algumas delas já esgotadas e para as quais havia na sexta-feira mais de 8.500 inscritos, dirigem-se ao público em geral, porque a missão da Ciência Viva "é levar a cultura científica à sociedade", assinalou Rosalia Vargas.

Energias renováveis, astronomia, geologia, arqueologia, vida selvagem, paleontologia, espeleologia, história, ambiente, fósseis, botânica, tecnologia e biodiversidade são algumas das áreas abrangidas pelo programa de ações.

Acompanhados por especialistas, os participantes podem optar por olhar o céu com telescópios, visitar grutas e castelos, conhecer jazidas de fósseis do Jurássico, aprender a extrair sal e a fazer pão e observar baleias, golfinhos e tartarugas a bordo de um veleiro e perceber os seus hábitos e comportamentos.

O Ciência Viva no Verão, que acontece há 21 anos, começou a funcionar em rede no ano passado, para "reforçar a cooperação entre as instituições", adiantou Rosalia Vargas.

"É um programa muito mais alargado e enraizado nas comunidades", sustentou.

Fonte: Lusa

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.