Quem me segue habitualmente aqui pelo SAPO Viagens, pelo blog (www.jolandblog.com) ou pelas outras redes sociais, como o Facebook ou Instagram, sabe que me tenho dedicado nos últimos anos a viajar pelo Sudeste Asiático. Países como a Tailândia, Vietname, Laos, Camboja, Indonésia e Myanmar já fazem parte dos meus álbuns de viagens, alguns até já foram repetidos.

Tenho um fascínio especial por aquela zona do mundo, pela simplicidade e autenticidade das suas pessoas, pela beleza das suas paisagens e pela sua comida deliciosa. O facto de ainda por cima ser um destino que me permite viajar com um orçamento mais reduzido é a cereja no topo do bolo.

Resolvi aproveitar as minhas experiências de viagem por lá e escrever um artigo com 20 dicas úteis para viajar pelo Sudeste Asiático.


1. Planeie a viagem de acordo com o clima

É bastante habitual saltar-se de país em país quando planeamos viajar pelo Sudeste Asiático. É raro ficarmos-nos apenas por 1 país. No entanto, é preciso ter em atenção que aquela zona do mundo tem um clima bastante variado e intenso. A época das monções num país não é igual em todos os países, por isso é importante que estude bem o clima dos países que pretende visitar, no início do seu planeamento.

2. Aventure-se com a comida local

A comida do Sudeste Asiático é absolutamente deliciosa. Quando lá estiver aproveite para provar o maior número de pratos possível. A comida é barata (consegue comer um prato por €1 ou €2 em determinados locais) e tem um sabor que dificilmente encontra noutras partes do mundo. E esqueça os restaurantes. A melhor comida é mesmo encontrada nas barraquinhas de rua espalhadas por todo o lado. Sente-se numa cadeirinha de plástico e delicie-se com uma das melhores comidas da sua vida, enquanto assiste ao vai-vem de locais e turistas.

(Veja também os artigos Top 10 – Pratos Típicos do Vietname e Top 10 – Pratos Típicos da Tailândia)

3. Viaje de noite

Uma boa forma de se poupar dinheiro e tempo ao viajar pelo Sudeste Asiático é fazê-lo de noite. Poupa dinheiro ao não ter de pagar mais uma noite num hotel, e tempo ao usar o momento em que normalmente estaria a dormir para se deslocar para outro destino. Na maior parte dos países existem sleeper buses e carruagens de comboio cujos assentos rebatem ao ponto de se parecerem com camas (ou transformam-se efectivamente em camas) proporcionando viagens suficientemente confortáveis.

4. Wcs com buracos no chão

Bem, é claro que existem wcs com as sanitas a que nós, ocidentais, estamos habituados. Mas é bom que tenha em mente que é possível que venha a encontrar alguns wcs onde a sanita é um simples buraco no chão. Ligado a canalização, claro, mas não deixa de ser um buraco no chão. Há ali um choque inicial, mas depois habitua-se, não se preocupe. E na realidade, se pensarmos bem, até é a forma mais natural de usar uma sanita!

5. Interaja com a população local

Um dos grandes atractivos destes países é a própria população local. São pessoas humildes, genuínas e hospitaleiras. Fazem-nos sentir em casa, apesar de estarmos num país com tradições e costumes tão diferentes dos nossos. Por isso, quando lá estiver, interaja ao máximo com os locais. Faça perguntas, meta conversa e verá que volta para casa uma pessoa muito mais rica do que quando saiu.

20 dicas úteis para viajar pelo Sudeste Asiático
A partilhar sorrisos em Mandalay, Myanmar Maria João Proença (Joland Blog)

6. Prepare-se para os preços para estrangeiros

No Sudeste Asiático é normal existir uma tabela de preços nas entradas para várias atracções turísticas, com valores diferentes para a população local e para estrangeiros. Os preços para estrangeiros ultrapassam por vezes o dobro dos valores aplicados aos locais. Se é justo? Não sei. Mas é uma realidade e há que aceitá-la.

Sete atividades turísticas com animais que deve evitar quando viaja
Sete atividades turísticas com animais que deve evitar quando viaja
Ver artigo

7. Diga “não” a espectáculos e atracções com animais

Uma das grandes atracções de destinos como por exemplo a Tailândia, são os famosos parques de elefantes ou templos de tigres. Apesar de este facto passar ao lado da maior parte dos visitantes, os animais que habitam estes espaços são maltratados, drogados e treinados de forma agressiva, apenas para que os turistas possam tirar umas fotos para mostrar em casa ou nas redes sociais. Por favor, diga “não” a este tipo de atracções. Recuse-se a ser cúmplice deste tipo de abuso animal. Os animais selvagens pertencem à selva, à floresta, aos oceanos, ao seu habitat natural. E é aí que os devemos ver. Não em parques temáticos ou jardins zoológicos.

8. Prepare-se para negociar!

Negociar faz parte da cultura asiática. É algo que é esperado de nós na maior parte dos estabelecimentos comerciais do Sudeste Asiático. Os preços normais são muitas vezes duplicados ou triplicados quando os clientes são turistas. Por isso, ponha um sorriso na cara, seja sempre simpático e tente reduzir pelo menos um pouco o valor que lhe dão à primeira tentativa de compra. Mas tenha em atenção alguns limites. É fácil perdermos-nos no meio de uma negociação feroz e quando damos conta estamos a negociar cêntimos.

9. Cuidado com a água

A água canalizada nestes países não é considerada de segurança, especialmente para estômagos e intestinos sensíveis como os dos visitantes ocidentais. Quando lá estiver, opte por beber sempre água engarrafada e evite o gelo quando não souber de onde veio. Se não o fizer, o mais provável é que passe alguns dias a conhecer melhor o wc do seu quarto de hotel.

10. Apanhe os transportes locais

O que não falta no Sudeste Asiático são opções de transporte para nos levar a qualquer destino dentro e fora de cada país. Muitos turistas optam por viajar em carruagens para turistas, carros privados ou mini-vans de luxo. Sim, claro que a viagem é mais confortável, mas também é mais cara e perde oportunidades de conviver com a população local. Por isso, quando lá estiver, opte sempre que possível pelos transportes locais. Vai conseguir manter o seu orçamento controlado e ainda sai com umas histórias bem giras para contar.

20 dicas úteis para viajar pelo Sudeste Asiático
Songthaew em Chiang Mai, na Tailândia

11. Và à consulta do viajante antes de partir

Para viajar pelo Sudeste Asiático não são obrigatórias quaisquer vacinas. No entanto, existem algumas que são recomendadas. E se são recomendadas, por alguma razão é. Na consulta do viajante, para além de lhe serem prescritas as vacinas e medicamentos adequados aos países que planeia visitar, são-lhe também dadas informações essenciais sobre outros cuidados de saúde e de higiene a ter lá.  Tenha em atenção que se tratam de países em desenvolvimento, onde as fracas condições de higiene aumentam as probabilidades de riscos de saúde.

12. Respeite a cultura local

Vai encontrar uma cultura e costumes bastante diferentes daqueles a que está habituada em casa. A religião é uma parte extremamente importante do dia-a-dia da população local. Somos bem-vindos dentro de qualquer local de culto, mas é-nos exigido que nos vistamos de forma mais conservadora, independentemente do calor que se possa sentir lá fora. E mesmo que não se trate de locais de culto: tenha em atenção que quando se veste com roupa demasiado decotada ou reveladora em locais públicos, está de certa forma a desrespeitar os costumes locais. Não se queira comportar lá como se comporta em casa, onde esses comportamentos são normais e aceitáveis. É um convidado naquele país e deverá comportar-se como tal.

13. Aproveite os voos low cost

Quando não tem muito tempo de viagem, o avião é a melhor escolha para se deslocar dentro ou entre os vários países do Sudeste Asiático. O que não faltam são companhias de voos low cost que lhe permitem viajar de forma rápida e económica. A mais conhecida e que abrange mais destinos é a AirAsia. Mas poderá também optar pela TigerAir, NokAir, VietJet, Jetstar, entre outros. Já viajei com grande parte destas companhias e não tenho quaisquer razões de queixa.

14. Licença Internacional de Condução

Desconfio que a maior parte das pessoas que aluga scooters no Sudeste Asiático não tem licença internacional de condução… No entanto, esta é necessária. Se for mandado parar, vão pedir-lhe a licença. Se não a tiver, fica habilitado a pagar uma multa. Quando aluga a scooter não lhe é pedida a licença e até é provável que caso seja parado pela polícia se possa “safar” pagando um pequeno suborno. Mas faça as coisas como deve ser e trate da licença antes de partir de viagem.

15. “No spicy”

Se normalmente uma pitadinha de malagueta o transforma imediatamente numa torneira humana, com nariz a escorrer e olhos a chorar, então lembre-se destas 2 palavrinhas quando estiver a viajar pelo Sudeste Asiático: “no spicy”. A comida desta zona do mundo é normalmente bastante picante. Mesmo quando no menu está escrito que é pouco picante, é melhor jogar pelo seguro e pedir sempre a comida sem picante absolutamente nenhum.

20 dicas úteis para viajar pelo Sudeste Asiático

16. Aprenda algumas palavras locais

Um simples “Sabaidee” (Olá, no Laos), “Mingalabar” (Olá, em Myanmar) ou “Kop khun kha” (Obrigada, na Tailândia), fazem milagres. Faça um esforço para se lembrar destas palavras e aprender outras quando lá estiver. O inglês falado por lá é muito básico e suficiente apenas para o ajudar com coisas básicas. Se souber mais algumas palavras da lingua local, evita alguns desentendidos e na maior parte das vezes é garantia de um sorriso instantâneo em troca!

17. Anote o seu destino num papel, na lingua local

Quando se deslocar de táxi, tuk tuk ou outros transportes locais dentro das cidades, tente levar um cartão ou pedaço de papel com o nome do seu destino escrito na lingua local. Assim evita mal entendidos ou perdas de tempo desnecessárias a tentar explicar exactamente para onde quer ir. Sugestão: quando fizer check-in num hotel/hostel/guesthouse, guarde logo na sua carteira ou no bolso um cartão de visita.

18. Prepare-se para ser enganado de vez em quando

O Sudeste Asiático registou um boom de visitantes num espaço de tempo relativamente curto. Com tantos turistas e uma qualidade de vida local tão baixa, o que não faltam são esquemas para tentar aproveitar ao máximo a carteira recheada destes visitantes. Desde táxis com taxímetro “avariado”, a fees que surgem do nada, é provável que se depare com alguns esquemas durante a sua viagem. Alguns são fáceis de detectar e se os puder evitar, evite. No entanto, se cair em alguns, não encare como sendo o fim do mundo. O máximo que pode acontecer é perder algum dinheiro desnecessariamente, mas não deixe que isso lhe estrague a viagem.

19. Não planeie com demasiada antecedência

Faça as suas pesquisas antes de partir para ficar com uma ideia dos locais que não quer mesmo perder. Mas não se prenda a um itinerário demasiado fechado. Deixar parte do seu plano em aberto é a melhor forma de viajar pelo Sudeste Asiático. É bastante fácil movimentar-se lá de destino em destino. E o mais provável é que conheça outros viajantes pelo caminho que lhe darão a conhecer novos locais ou lhe darão dicas úteis que ajudarão a decidir para onde poderá seguir.

20. Faça um seguro de viagem

Tenha em atenção que vai estar a viajar por países em desenvolvimento, onde as probabilidades de ter algum problema de saúde ou acidente são maiores do que as que teria normalmente. Para além disso, o que não faltam são desportos radicais e actividades de aventura à tua disposição. Se tem um espirito aventureiro, vai-lhe ser difícil dizer não a estas oportunidades. E todos sabemos que aqui as probabilidades de ter um azar aumentam bastante. Um seguro de viagem evitará gastos exorbitantes caso tenha algum problema e ajudá-lo-á a ter acesso à melhor assistência médica possível. Para além disso, cobre custos relacionados com perda de voos, de bagagem, de equipamento electrónico ou documentos importantes.  (Leia também o artigo: Seguro de viagem | Vantagens, Coberturas e Simulação)


No fim resta-me desejar-lhe uma excelente viagem e que aproveite ao máximo uma das zonas mais fantásticas do mundo!

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.