Todos que entram num avião têm o mesmo objetivo: chegar aonde precisam estar. No entanto, isso não impede que alguns passageiros ignorem as regras estabelecidas que permitem que o voo seja seguro e que tudo decorra dentro dos prazos estipulados.

A decisão, no entanto, raramente cabe ao comissário de bordo. Embora possam conversar com os passageiros e tentar resolver a situação, é o piloto que decide se é necessário fazer uma aterragem de emergência para expulsar um passageiro. Se alguém está a causar tumulto suficiente para o piloto ter de intervir, vai atrasar o voo.

Mas quais são os fatores que levam um comissário de bordo a decidir que um passageiro poderá causar problemas?

Os passageiros são expulsos, principalmente, por estarem alcoolizados ou doentes. Em relação às pessoas que aparentem estar doentes, se durante o processo de embarque for perceptível que a pessoa não se encontra bem, a mesma é aconselhada a apanhar um voo mais tarde.

A partir do momento em que o passageiro insulta um membro da tripulação, é imediatamente considerado uma ameaça. Se partir para o contacto físico, o avião será mesmo desviado para que aterre de emergência.

A terceira razão que leva as pessoas a serem expulsas do voo nem precisa de explicação. Não tente abrir as portas do avião. Embora este seja um problema, principalmente dos passageiros que bebem, nem sempre é assim. Mesmo sendo fisicamente impossível abrir as portas durante o voo, dependendo da situação, pode ser uma ameaça séria à segurança.

O melhor é seguir as regras estipuladas e tentar não ingerir demasiada bebida alcoólica antes do embarque.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.