Por: Nuno Luís, fotógrafo

É um local sui generis. Inóspito. Desolador. Seco. Muito seco, e onde a vegetação não abunda. Algumas aves de rapina são possíveis de avistar, pavoneando-se pelos céus.

O vento e a chuva são os responsáveis por esculpir e moldar a paisagem. As formações arenosas e as suas irregularidades rugosas são a cereja no topo do bolo.

Em dias de sol, sobretudo, com uma luz mais rasante, típica do início ou fim de dia, a paisagem nas Bardenas Reales ganha uma outra vida. Tridimensionalidade é a palavra que me ocorre para descrever este magnífico deserto.

Quem decida visitar este local único na Europa, optando por ir de carro, dista a cerca de nove horas de Lisboa e sete horas do Porto.

Não é bem aqui ao lado, mas fica mais perto, por exemplo, do que o Grande Canyon nos Estados Unidos que, salvo as dimensões e proporções, partilha semelhanças evidentes com as Bardenas Reales.

Para mais informações, visite o site oficial do parque aqui.

Mais inspiração no Instagram

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.