Em comunicado enviado hoje à agência Lusa, a Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRCAlentejo) revelou que a exposição intitulada “Jorge Colaço e a Azulejaria Figurativa do seu Tempo” vai ser inaugurada em Évora, na sexta-feira, e em Vila Viçosa, no sábado.

Trata-se de uma mostra, patente até 22 de abril do próximo ano, organizada pela DRCAlentejo, Museu-Biblioteca da Fundação Casa de Bragança e Direção-Geral do Património Cultural - Museu Nacional do Azulejo.

O objetivo passa por “chamar a atenção para a importância da obra de Jorge Rey Colaço, figura marcante no panorama artístico português nas primeiras quatro décadas do século XX”, disse a direção regional.

Fonte da DRCAlentejo explicou à agência Lusa que a exposição, que vai mostrar painéis de azulejo do artista pertencentes ao Museu Nacional do Azulejo e espólio documental, vai estar dividida em dois polos, um na Casa de Burgos, em Évora, e o outro no Paço Ducal de Vila Viçosa.

Na inauguração da exposição em Évora, às 17:00 de sexta-feira, vai ser lançado um roteiro, “em papel”, com as obras conhecidas de Jorge Colaço na região do Alentejo, sendo o mesmo igualmente apresentado em Vila Viçosa, no dia seguinte, às 16:00, indicou a mesma fonte.

A organização pretende “dar a conhecer, a um público mais alargado, a obra que o artista realizou para o Alentejo e contribuir para a sua valorização e preservação”, justificou a DRCAlentejo.

Tendo “Portugal” como lema de base da sua obra, Jorge Colaço desenvolveu temáticas diversificadas, desde cenas históricas, cenas de caráter militar, cenas etnográficas (rurais e piscatórias), entre outras.

O artista “realizou mais de 1.000 painéis de azulejos em Portugal continental e insular, bem como para outros países, como Espanha, Inglaterra, Suíça, Brasil, Argentina, Cuba” e também para Goa, destacaram as entidades promotoras da mostra.

No Alentejo, “os trabalhos mais conhecidos do artista são painéis realizados para algumas estações ferroviárias da região”, segundo a direção regional. Mas há outros que “são de assinalar”, como os painéis criados para o Palácio das Passagens - Escola Prática de Artilharia de Vendas Novas, para o Mercado Municipal de Almodôvar ou ainda para a Capela do Recolhimento Ramalho Barahona, em Évora.

Nascido em Tânger, a 26 de fevereiro de 1868, e falecido a 23 de agosto de 1942, no Alto do Lagoal, em Caxias, Jorge Rey Colaço estudou pintura em Madrid e Paris.

Tendo trabalhado como caricaturista e pintor a óleo, viria a destacar-se como pintor de azulejos, sendo, à época, considerado pelo público e outros artistas como a figura mais importante da sua geração no exercício desta arte.

O tempo artístico em que Jorge Colaço desenvolveu a sua obra foi marcado pelo surgimento e desenvolvimento de um modelo de azulejaria figurativa de estética revivalista e temática historicista e naturalista de gosto tardo-romântico.

Imagem: Página de Facebook dedicada a Jorge Colaço

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.