"Sempre que viemos aqui, o nosso coração encolhe um pouco", afirma Yael Lichi, de 47 anos, que frequenta o local há 15 anos com a família. "Em Israel é um símbolo", afirma. O jornal Haaretz informa diariamente o nível das águas na contracapa.

Os barcos de madeira que transportam turistas percorrem as águas transparentes. Os peregrinos cristãos visitam este lugar onde, segundo a Bíblia, ocorreu um dos milagres de Jesus: a multiplicação dos pães e dos peixes.

Para Israel é vital. Durante muito tempo foi a principal fonte de água do país. Percorra a galeria de fotos e conheça melhor este lugar.

Desde 2013, "estamos abaixo do limite mínimo", além do qual "a salinidade aumenta, os peixes têm dificuldades para sobreviver e a vegetação é afetada", explica à AFP Amir Givati, hidrologista de Israel.

O nível encontra-se apenas 22 cm acima do recorde de seca de 2001. Na altura, obtinha-se 400 milhões de metros cúbicos por ano para regar o resto do país.

"Este ano bombeamos 20 milhões de metros cúbicos", disse Amir Givati, além dos 50 milhões de metros cúbicos fornecidos por Israel à Jordânia em virtude do acordo de paz.

Fator humano e alterações climáticas

Uma centena de quilómetros mais a sul, ao longo do rio Jordão, o mar Morto perdeu um terço de sua superfície desde 1960. O Jordão não é mais do que um regato salobro, por causa da superexploração, mas também porque Israel o regula mediante uma albufeira.

Os especialistas são categóricos: as precipitações não bastarão para salvar o Lago Tiberíades de danos irreversíveis.

Dez lugares que deve visitar antes que desapareçam
Dez lugares que deve visitar antes que desapareçam
Ver artigo

O Ministério da Água destaca os cinco anos de seca que esgotaram as reservas no norte do país. Mas "os fatores climáticos não bastam para explicar esta diminuição recorde", apontam Michael Wine, Alon Rimmer e Jonathan Laronne, investigadores da Universidade Ben-Gurion, no sul de Israel.

"A agricultura e o desvio da água são as principais causas", escrevem em um estudo que será publicado em fevereiro.

Nos anos 1950, quando prometiam "fazer o deserto florescer", os israelitas construíram um imenso aqueduto que levava a água do lago para o resto do país.

"O Lago Tiberíades era usado como uma reserva nacional", explica a professora universitária Julie Trottier. O aqueduto irrigava a costa mediterrânea ao oeste e o deserto de Neguev ao sul.

Atualmente, devido à falta de água, o aqueduto ficou inutilizável. A maioria das residências ao oeste consomem água dessalinizada do Mediterrâneo, e para a irrigação dos campos são usadas as águas residuais recicladas.

Como essa água não chega a todos os lugares, os agricultores da região do lago recorrem aos cursos de água que constituem 90% do fornecimento para o lago.

A alguns quilómetros das praias de Ein Guev, ao pé das colinas rochosas, redes ocultam plantações de bananas, uma fruta muito rentável que pode ser colhida o ano todo.

"Quando começaram a plantar bananas, não havia problemas de água", ao contrário de agora, afirma Meir Barkan, um responsável turístico de Ein Guev.

Mais com menos

Devido à escassez de recursos hidráulicos, Eran Feitelson, professor de geografia da universidade hebraica de Jerusalém, estima que é preciso escolher entre, por um lado, a agricultura e o turismo (voraz no consumo de água mas um fator de impulso para a região) e por outro a preservação da natureza.

Lior Avishai, agrónomo do centro de pesquisa Zemach Nisyonot, acredita que é possível encontrar uma solução tecnológica que use menos água para os cultivos.

As autoridades propõem abastecer o Lago Tiberíades com água dessalgada através do aqueduto.

Menahem Lev pesca na zona há 39 anos. As redes capturam agora apenas peixes pequenos, do tamanho de sua mão. "Sinto vergonha quando os turistas veem o lago neste estado", diz.

Fonte: AFP

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.