A exposição "Encontro com o Principezinho", que estará aberta até 26 de junho, é formada por diversos objetos do escritor e aviador.

O conto foi escrito em 1942 nos Estados Unidos, em Nova Iorque e em Asharoken, uma cidade costeira de Long Island.

Quando, em abril de 1943, Saint-Exupéry deixou os Estados Unidos para combater as tropas nazis, deu o manuscrito à sua companheira, a jornalista Sylvia Hamilton, que o vendeu à Morgan Library & Museum de Nova Iorque 25 anos depois.

Esse museu emprestou algumas das folhas mais importantes desse tesouro literário, incluindo as aquarelas originais, pintadas pelo próprio Saint-Exupéry, que representam o asteroide do Principezinho - que é a capa do livro - e outra na qual o Pequeno Príncipe aparece com o seu longo casaco vermelho.

A mostra capta toda a profundidade da inspiração que levou a esta obra-prima, desde a infância de Saint-Exupéry e uma carta escrita para aquela que mais tarde seria sua esposa, Consuelo, em 1930, na qual ele menciona "um menino que descobriu um tesouro" e "tornou-se melancólico", até os esboços em que moldou o herói.

O aviador, desaparecido durante uma missão no mar Mediterrâneo em julho de 1944, não viveu para ver o sucesso planetário da obra.

Mas, no fim de vida, na qual o livro havia sido editado apenas nos Estados Unidos, em inglês e francês, "a personagem e o autor acabaram confundindo-se", explicou a curadora da exposição, Anne Monier-Vanryb.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.