A floresta protegeu-os durante séculos, mas a construção de estradas, a erosão e o trabalho agrícola colocam agora em risco os vestígios de uma colossal civilização amazónica com 2.500 anos no leste do Equador.

Ao longo de 300 km2 no vale do Upano, no sul da Amazónia, existe uma "cidade perdida" descoberta em 1978 que representa antigos assentamentos na região da floresta, de diferentes tamanhos e ligados por estradas.

"Pensava-se que eram (estruturas) naturais e foram derrubadas para a construção de estradas. Portanto, há uma necessidade urgente (...) de um plano de proteção, não apenas de pesquisa", afirma a espanhola Alejandra Sánchez, que estuda este problema há uma década.

Com a ajuda de um projeto estatal em 2015, ela e outros arqueólogos usaram as informações fornecidas por tecnologia sofisticada para identificar cerca de 7.400 vestígios em formato de L, T, U, quadrados, retangulares e ovais.

Mas quando a arqueóloga da Universidade de Valladolid visitou a área há alguns anos,  descobriu que alguns desses gigantes terrestres haviam sucumbido ao poder da maquinaria moderna: "Foram danificados pela construção das estradas".

A erosão, o desmatamento e a agricultura também colocam em risco os vestígios com até quatro metros de altura e cerca de 20 metros de comprimento. "Com a chuva, o vento, os arados, etc, destroem-se com muita facilidade", explica Sánchez.

Além disso, o rio Upano, berço da cultura indígena de mesmo nome, é vítima de uma voraz mineração ilegal.

Como medida de proteção, o Instituto Nacional do Património Cultural (INPC) estatal começará a demarcar os limites do complexo na província de Morona Santiago (sudeste).

"A inveja que tínhamos do património arqueológico dos nossos vizinhos peruanos ou dos nossos distantes vizinhos mesoamericanos, temos aqui, no vale do Upano, em quantidade, em grandeza, em história, em manifestações culturais", diz o arqueólogo equatoriano Alden Yépez, da Universidade Católica do Equador.

"Cidade perdida"

Em 2023, Sánchez e a argentina Rita Álvarez apresentaram uma análise das imagens obtidas após um sobrevoo utilizando a tecnologia LiDAR (Laser Imaging Detection and Ranging, em inglês), que utiliza lasers para detetar irregularidades no terreno.

"As ações de conservação e melhoria mudaram muito", disse Catalina Tello, diretora do INPC, à AFP.

Para Tello, a compreensão dos achados arqueológicos deve ser feita "no seu contexto", neste caso incluindo os povos indígenas shuar e achuar que "guardaram e cuidaram de todos estes vestígios".

Upano ganhou fama em janeiro, quando a revista Science publicou um artigo do francês Stéphen Rostain, que realizou escavações na década de 1990.

O INPC e arqueólogos como Yépez lembram que as estruturas foram analisadas durante quatro décadas, quando a história da sua existência chegou aos ouvidos do padre Pedro Porras.

O religioso e arqueólogo equatoriano descreveu-as na década de 1980 como uma "cidade perdida".

Os achados mais modernos estão no centro de documentação do INPC, que guarda as imagens geradas pelo LiDAR.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.