A informação foi hoje avançada pelo titular da pasta, Jomo Fortunato, em declarações à imprensa, à margem da cerimónia de cumprimentos de fim de ano.

"Nessa época de covi-19 tudo ficou paralisado, os operadores turísticos, está tudo parado. Numa situação normal esses setores deviam ser subvencionados com o apoio do Estado, mas o emagrecimento das receitas não o permitem ter uma ação agora direta nessa questão", disse.

Na sua intervenção durante a cerimónia com os funcionários do ministério, Jomo Fortunato disse que no domínio do turismo um dos desafios para o próximo ano, entre outros, é a implementação de uma estratégia de turismo interno, incluindo o turismo rural, como forma de promover o desenvolvimento rural, através do turismo e vice-versa.

Segundo Jomo Fortunato, existem pequenas rotas turísticas rentáveis, quer para estrangeiros quer para nacionais, salientando que neste momento há turistas na área dos negócios, a quem pode ser proporcionado pequenas rotas turísticas.

"Porque a covid-19 também propiciou o aparecimento de um determinado tipo de negociantes e de um determinado tipo de turistas, então, podemos proporcionar pequenas rotas turísticas, criar mesmo (novas rotas turísticas)", referiu.

Para este desiderato, prosseguiu o ministro, está a ser preparado um diálogo com os operadores turísticos, para que se encontrem as infraestruturas para essas pequenas rotas turísticas.

"Há que criar programas intra-provinciais no interior das províncias, são pequenas rotas turísticas. O turista pode sair do Hotel Presidente para o Memorial Agostinho Neto e depois rumar para o Museu da Escravatura, mas os operadores vão ajudar a procurar outras rotas turísticas, que podem ser desenvolvidas no interior", indicou o ministro.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.