com o apoio MEO
Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui
 

Dia 1

Para descansar
  • Aldeia de Quintandona
    Marcada por construções em pedra de lousa, granito e xisto, Quintandona é uma aldeia típica de beleza e arquitetura singulares com uma paisagem agrícola e florestal, em plena Rota do Românico, no concelho de Penafiel. O aglomerado de construções em pedra, o solo coberto com a mesma e a vasta paisagem que a envolve, transportam-nos no tempo, para um passado rural muito português. Recomendamos o caminho que vai desde a aldeia até ao miradouro do Monte da Pegadinha - ao longo deste percurso pedestre, encontram-se os lavadouros tradicionais, a capela centenária e o antigo cruzeiro. Lá de cima avista-se um horizonte a perder de vista. Todos os anos no mês de Setembro, realiza-se a Festa do Caldo - festa típica da aldeia - altura para provar os caldos tradicionais e recriar, em pleno século XXI, a vivência das décadas de 1950 e 1960, quando o caldo era a base da alimentação da população rural portuguesa.
  • Praia da Apúlia
    A Praia da Apúlia distingue-se pelo enorme areal com dunas que a protegem da nortada, onde as memórias guardam famílias de veraneantes que, por prescrição médica, aí levavam as crianças que necessitavam dos “ares do mar”. A abundância de algas é uma das características mais marcantes e esteve na origem de uma das figuras mais pitorescas do litoral norte: o Sargaceiro da Apúlia, assim chamado por se dedicar à apanha do sargaço (nome dado às algas), utilizado como fertilizante nos campos agrícolas da região. Aqui é possível assistir à chegada da faina, quando os barcos dos pescadores atravessam o areal e se alinham na praça enquadrada pela imponência dos antigos moinhos de vento, transformados agora em casas de férias.
 

Dia 2

Para descansar
  • Praia de Moledo
    Uma das mais famosas praias da costa portuguesa e uma das zonas balneares mais antigas de Portugal. Muito procurada pelas qualidades terapêuticas atribuídas ao iodo, é a primeira praia de mar para quem chega de Norte, destacando-se pela sua envolvente, em que a paisagem dunar, protegida entre passadiços de madeira, se funde com a serra que se perde no horizonte. Frequentada por quem não se seduz pelos areais mais quentes do sul, numa zona de grande beleza natural e rodeada pela Mata do Camarido. Em frente à praia, existe uma pequena ilha rochosa a que se acede por barco, onde se destaca o Forte da Ínsua, construído para convento no séc. XV e reformulado nos séculos XVII e XVIII passando a ser baluarte de defesa da costa.
  • Arcos de Valdevez
    Situada no Vale do Vez, Arcos conserva todo o encanto característico do Alto Minho: paisagem verdejante e fresca, arquitetura românica e tradições que a preenchem de História. Por todo o concelho abundam seculares casas senhoriais, torres e pontes medievais, bucólicas aldeias de usos e costumes ancestrais mantidos até hoje, romarias e gastronomia de muita tradição. A paisagem de Sistelo, aldeia de raízes medievais, resiste à passagem do tempo, fazendo parte da Reserva Mundial da Biosfera, decretada pela UNESCO, e classificada como Património Nacional em 2017.
 

Dia 3

Para descansar
 

Dia 4

Para descansar
  • Parque Natural do Alvão
    É uma extensão montanhosa com 7.220 ha, essencialmente granítica com alguns toques de xisto, bosques densos, verdejantes, ocres ou cobertos de neve, consoante a estação do ano. Enquadrados por cascatas espetaculares, as Fisgas do Ermelo, uma grande diversidade de ecossistemas naturais e um património imaterial e material preservado, o parque, é uma viagem à autenticidade. Siga os percursos sugeridos e contemple o horizonte; talvez aviste um falcão peregrino. Descarregue a adrenalina no rafting nos diversos cursos de água e, para recuperar as forças, saboreie a gastronomia regional, que contempla a bola de carne e a vitela assada, preparada com a carne especial da região – a Maronesa DOP.
  • Aldeia de Lamas d’Olo
    Em pleno Parque Natural do Alvão, esta aldeia está situada a mais de 1000m de altitude junto à bacia do rio Olo. Os canastros para guardar o milho, as eiras e os moinhos, marcam a paisagem e, ainda se vê algum casario em granito, com telhados de colmo. Os dias decorrem de acordo com as tradições de outros tempos - o recolher do gado ao fim do dia, as malhas do centeio, do milho e do feijão, as desfolhadas e as vessadas (preparação da terra para as próximas sementeiras). O Miradouro de Lamas d’ Olo e o Parque de Merendas da Barragem Cimeira são de visita obrigatória. A escassos quilómetros, contemple uma das maiores quedas de água de Portugal: as Fisgas do Ermelo.
 

Dia 5

Para descansar
  • Parque Natural do Douro Internacional
    O Parque Natural do Douro Internacional (PNDI), Património Mundia da Unesco, é adjacente ao Parque Natural Arribes del Duero. Os dois parques formam uma das maiores àreas protegidas da Europa, com uma superfície de 193.105 ha. O troço fronteiriço do rio Douro corresponde ao vale profundo de margens escarpadas que formam desfiladeiros de grande espetacularidade – as arribas - que nos separam de Espanha. Este troço tem um acentuado desnível o que originou a construção de 5 barragens: 3 em Portugal e 2 em Espanha. O microclima, com pouca chuva e invernos amenos, denominou esta zona de “Terra Quente Transmontana”, onde habita uma fauna rara com algumas espécies em vias de extinção: o Abutre do Egipto, o Cágado-de-Carapaça-Estriada, o Morcego-de-Peluche, o Milhafre-Real ou o Melro Azul.
  • Albufeira do Azibo
    A Albufeira do Azibo aloja nas suas margens duas praias com a Bandeira Azul: a Praia da Ribeira e a Praia da Fraga da Pegada, distinguida em 2019 como Praia Fluvial do Ano. Azibo é sinónimo de qualidade ambiental, beleza paisagística e de praias fluviais serenas ao redor de um imenso lago. Faz parte da Reserva da Biosfera Transfronteiriça da Meseta Ibérica. A Albufeira do Azibo conta ainda com uma rede de percursos integrados na rede do Geopark Terras de Cavaleiros, que fazem as delícias dos adeptos de caminhadas e BTT.
  • Aldeia de Podence
    Inserida na paisagem da Barragem do Azibo e do seu Parque Natural, Podence é uma das aldeias mais bonitas de Trás-os-Montes. Localizada no Concelho de Macedo de Cavaleiros, tem como ex-libris, a festa de Carnaval dos Caretos, evento que preserva as tradições do viver transmontano, sendo um dos últimos vestígios de um modo de vida em extinção e de tradição etnográfica única. Martim Gonçalves de Macedo, o bravo combatente, que, em 1385, na Batalha de Aljubarrota, evitou a morte do regente ao trono, o futuro D. João I, já derrubado em combate, é um herói desta aldeia.

Veja também

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa , as nossas notificações ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.