Situado perto da fronteira com o Kuwait no sul do Iraque, o museu acolhe milhares de artefactos ancestrais, alguns deles com mais de dois mil anos.

O presidente do Museu, Qahtan al-Obaid, disse à Associated Press que a escolha do local não foi acidental nem uma questão de conveniência. "O local foi escolhido pelo museu para substituir temas relacionados com a ditadura e tirania por civilização e humanidade".

No museu podemos encontrar cerâmica antiga, moedas e outros artefactos que datam 400 anos A.C.

Por falta de verbas, o museu apenas abriu um corredor, que custou cerca de 750 mil dólares (aprox. 680 mil euros). No entanto, o museu foi parcialmente pago por uma instituição de caridade britânica.

Quando estiver concluído, depois de arrecadar mais fundos, abrigará entre 3.500 a 4.000 objetos dos períodos históricos mais importantes do Iraque.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.