Voltei a Barcelona dez anos depois da primeira visita. E se, daquela vez, visitei os locais incontornáveis, como a Sagrada Família (que está diferente agora, claro!), a Casa Milá – La Pedrera, a Casa Batló, o Park Guell e Montjuic, entre outros, desta vez fui descobrir alguns locais menos turísticos e histórias locais.

O convite parte dos hotéis Mercure para todos os seus hóspedes. Criaram as Local Stories que, basicamente, são locais menos turísticos e que fazem parte do dia-a-dia dos habitantes. Em Barcelona, os hotéis Mercure sugerem sete Local Stories para os seus hóspedes descobrirem.

 

Comecei pela montanha, que via a partir do meu quarto do Mercure Condor. Na Tibidabo há um elétrico centenário que nos leva numa viagem ao passado, um parque de diversões e o Observatório de Fabra.

No Parque de Tibidabo encontrei turistas, é verdade, mas este é o local para os barceloneses se divertirem, especialmente em família, já que tem diversões para todas as idades.

Existem diversas formas de chegar ao topo de Tibidabo mas a mais histórica é a que usa o elétrico Blau (que significa azul, em catalão) para chegar ao funicular – tanto o elétrico como o funicular são máquinas do início do século XX. É uma autêntica viagem ao passado.

Perto do hotel Mercure Condor, no bairro Sarrià-Sant Gervasi, está outra das Local Stories: o Mercat de Galvany, que é de 1927 e mantém o seu caráter tradicional, vendendo os produtos frescos, para o dia-a-dia para os habitantes.

Na Avenida Diagonal vai descobrir um antigo palácio real. Infelizmente, já não se pode visitar no interior, mas pode entrar gratuitamente nos seus bonitos jardins. Estou a falar do Palau Reial de Pedralbes, que foi palácio real de 1918 a 1931.

Esta é mais uma das Local Stories sugeridas, à qual se junta uma outra referência arquitetónica e cultural: assim é a CaixaForum, com uma arquitetura modernista, – já foi uma fábrica – onde pode visitar exposições muito interessantes.

A sétima e última das Local Stories fica na La Rambla e é o Gran Teatro del Liceu. O edifício, de 1847, é bonito por dentro e por fora. Tem visitas guiadas para dar a conhecer a sua história, que conta já com três reconstruções, depois de dois incêndios e de um atentado. Mesmo com esses infortúnios conseguiu manter a sua arquitetura e o seu glamour de teatro de meados do século XIX. Vale bem a visita ao interior ou então aproveite para ver a agenda e assistir a um dos seus espetáculos.

Saiba mais sobre as Local Stories no Viaje Comigo.

Barcelona: a vida depois do atentado

“A vida continua”, ouvimos dizer desde sempre. E a verdade é que, quando parece que a cidade não vai ser a mesma, depois de um violento atentado, ela retoma a sua vida. Mas algo muda, não é? Algo sempre muda. Mesmo que não seja diretamente visível.

Visitei Barcelona menos de um mês depois do atentado que ensombrou toda a cidade e sobretudo a turística La Rambla. Menos de um mês depois... e continuam a ser milhares de pessoas que cruzam estas ruas, fazem filas para as atrações turísticas e se recusam a viver a olhar para trás e com medo. A vida continua.

No entanto, é impossível ficar insensível à passagem do memorial que homenageia as vítimas do atentado de 18 de agosto. No local, perto da praça da Catalunha, depositam-se postais, flores, velas e fotografias das vítimas, para que não se esqueça. Nunca. Mas, ao mesmo tempo, a vida continua. Nunca ceder ao fanatismo.