Bilhete-postal enviado por Cláudia Vale

Ao chegar à Eslovénia fomos levantar o nosso querido carro para iniciar a road trip. Tínhamos alugado o carro mais barato possível mas qual é o nosso espanto quando na hora de o ir levantar nos é fornecido um carro de uma gama bem superior e AMARELO. Por um lado achamos imensa piada iniciar uma road trip com um carro amarelo, mas após começar a refletir sobre o assunto começamos a ficar preocupadas com algumas questões de segurança dos países que queríamos visitar a bordo de um carro amarelo e enorme, que como se não bastasse, tinha uma grande placa na parte de trás do carro com a empresa de aluguer.

Logo no primeiro dia de viagem conseguimos logo levar uma multa de estacionamento, pois não conhecíamos a cidade e estacionamos onde não devíamos, com um carro pouco chamativo por sinal.

Após uma semana e meia, ao nos dirigirmos para países com menos segurança, os nossos medos cresciam em relação ao carro. Ao passar pela fronteira da Bósnia começa a nossa saga pois fomos seguidas por um “carro velho” com vários homens de nacionalidade Bósnia, durante a noite. Conseguimos que o carro nos perdesse de vista ao fim de vários quilómetros e prosseguimos viagem. Pela passagem pela Bósnia fomos percebendo que o país não era assim tão inseguro como nos tinham passado e, o que é certo é, que conseguimos chegar ao fim da viagem sem o carro ser assaltado ou sem problemas.

No último dia, ao sair do último hostel, à saída da última cidade, a caminho do aeroporto para voltar a casa ouvimos um barulho no carro. Como foi passageiro e não vimos problemas de maior, seguimos viagem, até que somos confrontadas com um senhor no semáforo a seguir a gritar connosco qualquer coisa que não percebíamos, e que lhe tínhamos batido no carro que estava encostado na berma uns metros atrás.

Encostamos o carro de imediato para ver se o nosso carro tinha algum problema e reparamos que apesar de não ter nenhuma marca no nosso yellow car, o carro do senhor se encontrava sem retrovisor do lado esquerdo.

Ora, um grande problema nos esperava, o senhor queria chamar a polícia mas isso era tudo o que nós não queríamos pois apesar do senhor estar mal encostado na berma, nós é que efetivamente lhe tínhamos batido no carro e não tínhamos propriamente tempo para esperar que a polícia viesse resolver, uma vez que tínhamos um avião para apanhar, além de que também não queríamos reportar o sucedido à companhia de aluguer do carro pois o nosso carro não apresentava nenhuma marca.

Após conversa entre nós e com o lesado, lá o conseguimos convencer a dar-lhe 20€ pelo arranjo do espelho, uma vez que era o único dinheiro que possuíamos em nossa mão, pois íamos embora e tínhamos gasto todo o dinheiro nacional até à partida.

O senhor, contente pela grande quantia que lhe tínhamos deixado, tendo em conta o salário mensal da Bósnia, deixou-nos seguir viagem sem mais complicações, entretanto o nosso yellow car chegou são e salvo no aeroporto.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.