com o apoio MEO
em modo Escuro poderá poupar até 30% de energia. Saiba mais
 

Dia 1

Chegar à aldeia histórica de Castelo Rodrigo num dia quente de verão é, por si só, uma experiência única. Os tons ocre da aldeia, realçados pela luz dourada, criam um cenário impactante. Neste primeiro dia vamos ficar por aqui e descer até à vila de Figueira.
Para descansar
  • Aldeia Histórica de Castelo Rodrigo

    Conquistada aos Árabes no séc. XI e dependente do Reino de Leão, foi vila elevada a concelho por Afonso IX, integrando definitivamente o território português a 12 de Setembro de 1297, pelo Tratado de Alcanizes

    A povoação viveu durante muito tempo divida entre Portugal e Espanha. Conquistada e reconquistada, teve o seu brasão invertido como castigo real por ter sido a favor de Castela durante o Interregno de 1383-1385.

    Do palácio no topo da colina, a que hoje já só restam ruínas, diz-se ter sido destruído na época da Restauração a seguir a uma revolta popular contra a posição tomada por Cristóvão de Moura durante a crise de sucessão de 1580.

    As ruas estreitas e desniveladas, traça medieval, as pequenas habitações em pedra, o poço-cisterna, as muralhas, a igreja matriz e o castelo são um convite à divagação de como era ali a vida noutros tempos.

    O que visitar:

    • Castelo
    • Cisterna Medieval
    • Porta do Sol
    • Pelourinho
    • Igreja Matriz
    • Ruínas do Palácio de Cristóvão de Moura
    • Torre do Relógio

    Ver mais informações sobre Castelo Rodrigo aqui

    Sugestão de alojamento: Casa da Cisterna. Está integrada nas antigas construções de Castelo Rodrigo, sendo uma opção de alojamento bem interessante para quem quer ficar hospedado dentro das muralhas medievais da aldeia.

  • Cantinho Café
    Um dos poucos estabelecimentos dentro das muralhas e que vale a pena conhecer, principalmente pela carta variada de cervejas artesanais e pela vista para a Serra da Marofa. Para a mesa vieram uma Castelo Rodrigo blonde ale, uma bela homenagem à aldeia, e uma Beirã, produzida na aldeia de Belmonte, puro malte kosher, que também desceu muito bem, principalmente com a vista para o pôr do sol na serra da Marofa. Peça a carta e troque dois dedos de conversa com os anfitriões para descobrir a cerveja que mais combina consigo naquele dia.
  • Figueira de Castelo Rodrigo
    Figueira de Castelo Rodrigo é uma vila portuguesa pertencente ao distrito da Guarda, com cerca de 2.200 habitantes. Tem vista para a colina onde fica a aldeia de Castelo Rodrigo. Um bom lugar para procurar restaurantes, provar vinhos e conhecer a gastronomia da região. Como sugestão de restaurantes deixamos: A Cerca e Arco-Íris.
  • Albufeira de Santa Maria de Aguiar
    A Albufeira de Santa Maria de Aguiar, resultante da construção de uma barragem em 1979, localiza-se no extremo sul do Parque Natural do Douro Internacional, concelho de Figueira Castelo Rodrigo. Por ter escassa flutuação dos níveis das águas permite ter várias espécies de aves aquáticas com destaque para o Mergulhão-de-crista que possui nesta área um dos núcleos populacionais mais importantes a nível nacional. Um local de silêncio, para apreciar a natureza - perfeito para um piquenique.
 

Dia 2

A primeira paragem do dia é a Aldeia Histórica de Almedia, onde pode explorar a fortaleza e conhecer mais sobre arquitetura militar. Depois, conduza cerca de 140 quilómetros até a cidade espanhola de Salamanca.
Para descansar
  • Aldeia Histórica de Almeida

    A "Estrela do Interior", como também é conhecida, impressiona quando vista do ar. A atual estrutura remonta ao século XVII, no contexto da Restauração da independência, quando, revalorizada a sua posição estratégica, foi transformada em uma poderosa Praça-forte. É considerada como a mais monumental das praças do país.

    Almeida terá tido origem na migração dos habitantes de um castro lusitano, ocupado em 61 a.C. pelos Romanos, e depois pelos povos bárbaros. No período da Reconquista, os Cristãos tomaram-na definitivamente em 1190 e foi sucessivamente disputada a Leão, passando à posse portuguesa com o Tratado de Alcanizes em 1297.

    A importância desta praça defensiva levou à expansão urbana. A sua qualidade de praça-forte marcou também o próprio urbanismo, com quarteirões destinados a alojar os militares. A Praça Forte de Almeida, perfeito exemplar da arquitetura militar barroca, é uma fortaleza abaluartada com traçado hexagonal em estrela, ao estilo do engenheiro francês Antoine Deville.

    O que visitar:

    • Fortaleza
    • Castelo
    • Centro de Estudos de Arquitetura Militar de Almeida
    • Casa da Roda
    • Paiol e Casa da Guarda
    • Picadeiro d'el Rey
    • Praça Alta
    • Torre do Relógio

    Ver mais informações sobre Almeida aqui

  • Salamanca
    Salamanca fica na província de Castela e Leão. É uma das cidades espanholas mais ricas em monumentos da Idade Média, do Renascimento e das épocas barroca e neoclássica. Destacam-se as catedrais velha e nova, o Palácio da Salina, o Palácio de Anaya, o Palácio de Monterrey, a Casa das Conchas, a Casa Lis, o Convento das Senhoras e a Torre do Cravo. Uma visita à cidade passa também pela Praça Maior (Plaza Mayor). Essa praça, edificada entre 1729 e 1755, é o centro e o principal símbolo da cidade. A cidade também tem a fama de ser o lugar onde se fala o castelhano mais puro da Espanha. Salamanca foi escolhida para Capital Europeia da Cultura em 2002, sendo o seu centro histórico Património da Humanidade desde 1988.
 

Dia 3

Depois de dois dias a viajar pela história destes lugares, sugerimos relaxar numa praia fluvial e ver o pôr do sol do alto de uma serra.
Para descansar
  • Praia Fluvial Rapoula do Côa
    A Praia Fluvial de Rapoula do Côa é banhada pelas águas do rio Côa, está situada na freguesia da Rapoula Côa, Concelho do Sabugal, distrito da Guarda. É muito agradável e bonita, com todas as condições para um belo dia de lazer com a família, tem margens relvadas e arborizadas. O espaço está organizado em socalcos suaves, rodeados de árvores, sombras e muita areia no solário. A zona de banhos possui diversas profundidades, para nadadores mais experientes ou crianças, através de uma língua de areal que entra rio adentro. Um dos lados é destinado à pesca desportiva da truta.
  • Serra da Marofa
    A Serra da Marofa é o ponto mais alto das terras de Riba-Côa. O cume atinge os 975 metros de altitude e é visível de vários concelhos vizinhos. É a vizinha de Castelo Rodrigo e serve como excelente miradouro para as serras que escondem o rio Côa. A visão alcança uma sucessão de montanhas cujo brilho se perde no horizonte. A maioria dos visitantes vai ao alto da Marofa por causa da vista. No topo, está um enorme Cristo-Rei com 6 metros de altura e de granito. Está à beira de uma ravina de braços abertos virado para o imenso planalto que abrange Figueira de Castelo Rodrigo, a albufeira da barragem de Santa Maria de Aguiar e Espanha. Ver o pôr do sol dali é imperdível.

Veja também

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa , as nossas notificações ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.