Por todo o mundo, os produtores de vinho tomam cada vez mais consciência que o consumidor ou turista não está só interessado em saborear o produto final, por muito bom que ele seja, mas quer também perceber de onde vem esse produto, como chega às suas mãos, e quais as técnicas e pessoas envolvidas nesse longo processo de criação. E Portugal não é excepção.

De Norte a Sul do país, são já muitas as unidades de produção de vinho que se dedicam à divulgação, não só do seu produto, mas também dos seus espaços físicos, processos de produção, e do trabalho especializado envolvido. O turista que visita estes locais passa a ter à sua disposição um conjunto de experiências em que pode participar directamente, sentindo-se assim muito mais satisfeito com a proximidade, daí resultante, com o produto, as pessoas e o país que visita. As memórias destas experiências são, acima de tudo, aquilo que o turista moderno quer levar para casa.

No Norte de Portugal, em especial na Região Demarcada do Douro, são já muitos os locais onde se desenvolvem actividades vinícolas direccionadas para os turistas, incluindo a prova de vinhos, participação nas vindimas e pisa do vinho, assim como alojamento nas próprias instalações.

No nosso périplo pela região do Douro, quisemos também experimentar um pouco deste ramo turístico com um futuro promissor. Muito ficou por fazer, mas a ouvir a explicação da prova de vinhos e passear por entre vinhas na Quinta do Vallado, a contemplar o Douro vinhateiro do miradouro da Quinta do Seixo, a ver passar, da esplanada da Quinta do Bonfim, o comboio histórico junto ao rio Douro, a visitar a aldeia vinhateira de Provesende, a admirar os azulejos da Estação do Pinhão, a fazer um passeio de barco pelo rio Douro, a ter uma experiência gastronómica no Restaurante Castas & Pratos, na Régua, a visitar as caves da Quinta do Portal e ali provar o melhor vinho português de 2016, ou ainda a percorrer as estradas panorâmicas pelas encostas cultivadas do Douro, soubemos que reunimos um conjunto maravilhoso de experiências das quais não nos esqueceremos e cujas memórias queremos partilhar. Ficamos assim a conhecer um pouco melhor daquilo que o Douro tem a oferecer no ramo do Enoturismo, e sabemos que em breve voltaremos para mais.