Uma formiga. É assim que nos sentimos quando observamos o Glaciar Viedma, no Parque Nacional Los Glaciares, na Argentina. Sentimo-nos insignificantes perante estas obras da mãe natureza. Se para o comum dos mortais a visão dum glaciar é um episódio inesquecível, para quem os estuda é um momento de excitação. De cada vez vemos um glaciar continental com as dimensões de alguns dos que vimos no Parque Nacional Los Glaciares, não conseguimos esconder a entusiasmo e atuamos como se fôssemos teenagers.

Viedma
créditos: Viajar entre Viagens

O primeiro encontro da Carla com glaciares foi nos Alpes suiços, tinha ela pouco mais de 20 anos. Uns anos mais tarde, escalaria um glaciar na Noruega e cimentava uma nova paixão. Depois desses, juntos, conhecemos alguns dos mais belos glaciares nos Andes peruanos, bolivianos, equatorianos e chilenos. Mas foi quando enfrentamos de frente o glaciar Viedma, na Argentina, que percebemos que conhecer e compreender os glaciares era uma prioridade para nós.

Quando decidimos perseguir os glaciares que existem no mundo caminhávamos sobre o glaciar Viedma. Foi um momento estranho, porque ao mesmo tempo que nos sentíamos completamente satisfeitos com o facto de estarmos ali, sentíamos que havia ainda um mundo novo para descobrir. Estes rios de gelo gigantescos descem por vales rodeados de montanhas geladas e terminam, geralmente, em lagos ou no mar. Que melhor postal poderíamos imaginar para “pano de fundo” da nossa vida? Desde esse dia que decidimos que um dos nossos objectivos passaria por perseguir glaciares e caminhar sobre este grande legado que restou da Idade do Gelo.