Quando cruzamos as portadas de madeira do Progresso, cruzamos também 118 anos de história. Fundado em 1899, o Café Progresso afirma-se como sendo o mais antigo do Porto. Este ano celebrou o aniversário de uma forma diferente, com a renovação do espaço, que mudou de gerência, afirmando-se como um café de especialidade - já lá vamos -, com pizzas e pinsas - já lá vamos também -, saladas, pães biológicos, pastelaria caseira, sumos naturais, vinhos nacionais e cervejas artesanais. Para sossegar os clientes antigos, os famosos queques da D. Odete continuam presentes, bem como o café de saco.

É uma grande mesa comunitária de madeira que salta à vista quando entramos no Progresso. A máquina de café cor verde-menta, com as chávenas coloridas em cima, também atrai o olhar. Quando damos por ela já estamos sentados a saborear um cappuccino sem açúcar para sentir o verdadeiro sabor do café que, dias antes, foi torrado na máquina que se encontra ao fundo da sala, encostada à parede de tijolos, iluminada por candeeiros de metal. A máquina de torrefação é uma das novidades deste novo capítulo que o Progresso começa a escrever desde que abriu portas, oficialmente, a 24 de setembro, quando completou 118 anos.

Ao longo dos tempos, o espaço foi sempre "um projeto inovador", ganhou fama pelo café cimbalino e pelo café de saco e, agora, quer afirmar-se como um "café de especialidade", acompanhando as tendências globais, explica Pedro Sá Pereira, um dos responsáveis pelo Progresso.

Uma boa notícia para os verdadeiros amantes do café que aqui o encontram nas mais variadas formas. É possível ver os grãos verdes, em grandes sacos de serrapilheira, que chegam - orgânicos e biológicos - diretamente das "melhores proveniências" (Costa Rica, Brasil, Guatemala, Etiópia, Ruanda ou Quénia). Depois da torrefação, pode escolher como quer o seu café: expresso, de saco, chemex, aeropress, kalita ou sifão.

Mas nem só de café vive este "novo" Progresso. Uma das novidades são as pizzas e pinsas em forno de lenha. A pinsa é uma pizza com massa diferente, uma mistura de trigo, soja e arroz que passa por um processo de maturação de 150 horas. O resultado é uma massa mais saudável, com menos glúten, mais leve para a digestão, que ganha em altura e fofura - como comprovamos com olhos e boca.

Café Progresso, Porto
Pinsa Favolosa (tomate san marzano, mozzarella, rúcula, tomate seco e parmesão). créditos: Alice Barcellos

A "preocupação com a origem dos produtos e com as formas de confecionar" é, de resto, o fio condutor desta nova fase do Progresso, sublinha Pedro Sá Pereira. Em breve, o espaço vai apresentar uma seleção de queijos e enchidos artesanais que vão acompanhar na perfeição a extensa carta de vinhos nacionais já existente.

Percorra a galeria de fotos acima para saber mais sobre o renovado Café Progresso.

Informações

Café Progresso

Morada: Rua Actor João Guedes, 5, Porto

Horários: Terça-Quinta das 8h às 00h. Sexta-Sábado das 8h às 2h. Domingo das 8h às 23h.

Texto: Alice Barcellos