De acordo com os resultados de pesquisas, observou-se que as substâncias químicas, oxibenzona e octinoxato são altamente responsáveis ​​pelos danos dos recifes de coral. Além disso, os produtos químicos são encontrados na maioria dos protetores solares disponíveis nos mercados havaianos. E, portanto, os legisladores havaianos decidiram proibir a fabricação desses tipos de protetores solares. As vendas de unidades existentes disponíveis no mercado também serão interrompidas.

O senador Gabbard escreveu em um e-mail aquando da aprovação da lei: “Surpreendentemente, esta é a primeira lei do mundo. Então, o Havai está, definitivamente, na vanguarda ao proibir esses produtos químicos perigosos em protetores solares. Quando pensamos sobre isso, a nossa ilha paradisíaca, cercada por recifes de corais, é o lugar perfeito para definir o padrão ouro para o mundo seguir. Isso fará uma enorme diferença na proteção d0s nossos recifes de corais, vida marinha e saúde humana ”.

O governador das ilhas, David Ige, prepara-se para assinar a lei, esta semana. No entanto, as empresas do sector estão, naturalmente, contra, defendendo que esta medida tornará difícil a proteção contra os efeitos nocivos do sol.

Os legisladores havaianos recordam que os recifes deste estado americano estão sob ameaça, sofrendo com elevados níveis de branqueamento dos corais. Em 2017,  56% dos corais da Big Island estavam já branqueados, assim como 44% dos corais de West Maui e 32% dos recifes de Oahu.

Os recifes coloridos são uma forte atração turística, mas mais do que isso, estes recifes  são vitais para a saúde dos ecossistemas marinhos. Um quarto das espécies oceânicas depende dos recifes para alimentação e abrigo.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.