Com mais 800 milhões de utilizadores, dos quais 500 milhões são ativos diariamente, o Instagram tem uma média de 80 milhões de fotos partilhadas diariamente. Em 2015, o site Miss Travel fez um estudo onde concluiu que 48% dos utilizadores utilizam o Instagram para escolher destinos de viagem e 35% descobrem novos lugares através da rede social.

Por conter fotografias e vídeos dos viajantes e habitantes locais, o Instagram torna-se num agente de viagens mais credível do que os meios tradicionais. Clicando numa determinada localização, o Instagram oferece um vasto catálogo de fotografias e vídeos do local que trazem uma ideia de autenticidade e influenciam os utilizadores a viajar. Os utilizadores têm maior confiança nos outros utilizadores, no "passa-palavra" eletrónico do que em outras formas de publicidade.

Além disso, os líderes de opinião presentes na rede social desempenham um papel importante ao influenciar os utilizadores a tomar uma decisão.

Um caso concreto foi o investimento da região de Wanaka, na Nova Zelândia, em influenciadores digitais. Em 2015, o conselho de turismo da pequena cidade começou a convidar e hospedar influenciadores digitais com muitos seguidores para visitar o local e partilhar a experiência. O resultado foi o crescimento turístico mais rápido do país: um aumento de 14%.

Trolltunga
Trolltunga, Noruega créditos: Flickr

Outro caso é Trolltunga, na Noruega, cujas fotos de pessoas sentadas numa pedra num precipício se tornaram populares na rede social. Apesar das fotos partilhadas na rede social mostrarem sempre o visitante isolado, sozinho sentado na pedra, segundo o National Geographic, fora da foto fica uma longa fila de pessoas à espera da sua vez para reproduzir a mesma foto. Entre 2009 e 2014, os visitantes de Trolltunga aumentaram de 500 para 40 mil, o que comprova o poder da rede social.

Um caso em que a influencia das fotografias ultrapassou o que era esperado é a ponte de vidro construída na China. A ponte que se estende por mais de 300 metros e cujo chão é feito de vidro foi inaugurada a 20 de agosto de 2016, mas acabou por ter de ser fechada 13 dias depois. A ponte estava projetada para receber até 8 mil visitantes por dia, mas chegava a receber 80 mil visitantes. O motivo disso? As fotos partilhadas que pareciam desafiar a lei da gravidade e atraíram curiosos de todo o mundo.

Passadiços
Passadiços do Paiva, Arouca créditos: Susana Ribeiro

Em Portugal, temos o exemplo dos Passadiços do Paiva que no verão de 2015 se tornaram num fenómeno de popularidade indo muito além das expectativas. O percurso recebia cerca de 7 mil visitantes por dia movidos, em grande parte, pelas fotografias partilhadas na rede social. O turismo massificou-se, o que preocupou os ambientalistas, uma vez que a presença de milhares de visitantes diariamente coloca em causa a biodiversidade do Rio Paiva. Desta forma, o município acabou por limitar o número de visitantes a 3500, que passaram a pagar entrada para entrar.

Apesar do Instagram ser composto por fotos reais, de turistas que partilham as suas experiências, as fotos podem não corresponder exatamente à realidade. Os visitantes tiram e partilham as fotos do melhor local, deixando, muitas vezes, a poluição e a confusão de fora, pelo que a realidade pode ser muito diferente daquilo que vemos nesta rede social.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.