Para Oscar Nilsson, um arqueólogo e escultor sueco especializado na reconstrução de rostos humanos, o número de horas gastas em cada reconstrução poderia facilmente chegar a 200. O arqueólogo usa crânios impressos em 3D para preservar os esqueletos originais encontrados durante as escavações, no entanto, o resto das características faciais são esculpidas à mão.

Em 1996, o sueco abriu uma empresa chamada O.D. Nilsson, que colabora com museus de todo o mundo, ajudando-os a restaurar os rostos de pessoas cujas sepulturas foram descobertas durante escavações arqueológicas.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.