A maioria de nós provavelmente não pensa muito sobre as janelas de avião, a não ser no momento em que decidimos tirar uma foto aérea para atualizar as redes sociais.

No entanto, uma série de incidentes recentes que envolvem janelas que se partiram instalaram o pânico entre muitos viajantes. Uma pesquisa mostrou mesmo que alguns passageiros começaram a evitar os assentos junto à janela.

Recentemente, um dos painéis no cockpit de um Airbus da Sichuan Airlines explodiu inexplicavelmente num voo de Chongqing, no sudoeste da China, para Lhasa, no Tibete. Isso fez com que o compartimento perdesse a pressão, o que por sua vez sugou o co-piloto parcialmente para fora do avião. Ele conseguiu recuperar o controle e sofreu apenas ferimentos leves, e o avião aterrou de emergência. As autoridades chinesas de aviação estão a investigar o incidente, com a ajuda de especialistas da Airbus Industrie, no entanto ainda não foi identificada a causa do problema. Este foi o sexto problema relacionado com uma janela de avião em apenas um mês. O primeiro foi a explosão do motor no voo 1380 da Southwest Airlines a 17 de abril.  Nesse caso, os fragmentos do motor voaram e perfuraram uma janela do passageiro, matando uma mulher sentada no banco ao lado, depois de ter sido parcialmente sugada para fora do avião.

Entre esses dois eventos, houve outro susto com uma janela, mais uma vez com um avião da Southwest, que foi forçado a fazer uma aterragem de emergência em Cleveland num voo com destino a Chicago, quando uma janela do passageiro se partiu. Ninguém ficou ferido e os passageiros foram levados para outro avião para continuar a viagem.

Esses eventos estão ligados e sugerem um problema desse componente de aeronave?

Especialistas em segurança dizem enfaticamente que não. Danos em janelas, até mesmo em janelas de cockpit, “normalmente não causam acidentes de avião”, diz John Goglia, consultor de segurança e ex-membro do Conselho Nacional de Segurança nos Transportes. "Nos primórdios da viagem a jato, houve alguns episódios muito complicados com janelas, mas mesmo assim os aviões não se despenharam." Goglia diz que as janelas do cockpit, em particular, são muito fortes, projetadas para sobreviver a tudo, desde ataques com pássaros - como no voo “Miracle on the Hudson” de Sully Sullenberger - até chuvas de granizo. O vidro da janela tem várias camadas de vidro. Janelas de passageiros também são resistentes com várias camadas para proteção adicional e são rotineiramente polidas para remover linhas finas semelhantes a teias causadas pela exposição aos elementos e a produtos químicos, como os usados ​​para descongelar os aviões, sendo que as falhas em janelas de passageiros são raras.

As estatísticas mostram que houve apenas 26 falhas em todo o histórico de serviços do Boeing 737 em todo o mundo. Então, apesar da recente onda de incidentes, é importante ter em mente que os danos à janela são extremamente raros. Por exemplo, o último caso de um piloto sugado de uma janela do cockpit foi em 1990, a bordo de um voo da British Airways, ele foi sugado parcialmente, mas conseguiu recuperar. A investigação posterior mostrou que o acidente foi causado por manutenção inadequada. "Eles usaram os parafusos errados", ao instalar a janela, diz Goglia. Então, o que há por trás dos outros casos recentes? Goglia diz que há três explicações possíveis para o episódio da Sichuan Airlines: montagem inadequada, um defeito de fabricação ou danos de uma fonte desconhecida que terão causado um "ponto de stress".

Apesar dos acontecimentos recentes, as janelas de avião são extremamente resistentes e os acidentes são raros.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.