Em 2020 vai nascer um museu dedicado à catástrofe natural que mais marcou a cidade de Lisboa. O Quake — Centro do Terramoto de Lisboa vai ser construído num terreno da Rua da Junqueira, tal como a Assembleia Municipal de Lisboa aprovou a 19 de julho.

Destaca-se a experiência imersiva, de realidade virtual, que acontece num cenário de igreja, segundo se lê no site da Assembleia Municipal. Os visitantes sentam-se nos bancos, “assentes numa plataforma hidráulica, sincronizada com mapeamento de vídeo, som, simuladores de odor, de fumo e de calor”, cita o Observador.

“Na sequência dos abalos, por entre várias marcas de destruição, abre-se uma enorme racha na parede, através da qual os visitantes são convidados a fugir.” As restantes salas terão informação de contexto histórico, cultural e científico sobre o acontecimento, com projeções em 4D e a 360 graus.

Vai haver também uma sala  para todos os que queiram passar pela experiência de estar num sismo fictício, fazendo os procedimentos de segurança adequados.

O objetivo da Turcultur, empresa responsável pelo projeto, é receber 250 mil visitantes por ano, sendo que os bilhetes custarão cerca de 12€.

Os conteúdos ainda não foram produzidos, e para essa tarefa a empresa irá contratar historiadores especialistas no Terramoto de 1755.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.