Quando Jacob Meir Abdellak chegou atrasado ao aeroporto, os funcionários não permitiram que ele embarcasse no voo, embora ainda não tivesse descolado, segundo a Reuters. Ele telefonou para o aeroporto e fez uma ameaça falsa, envolvendo uma "substância nociva capaz de criar sérios riscos à saúde humana", cerca de 8 minutos antes da partida do voo. Como resultado, os passageiros tiveram de sair e ser revistados. O voo foi adiado por 90 minutos, informou a Reuters.

As autoridades descobriram que a ligação falsa veio do mesmo número que Abdellak usava no momento da reserva. Quando chegou ao aeroporto, no final do mês, para um voo diferente, acabou por ser preso. Jacob foi julgado no tribunal e condenado a 10 meses de prisão.

"Esta acabou por ser a pior decisão que ele poderia ter tomado", disse à Reuters o inspetor-chefe da polícia de Gatwick, Marc Clothier, afirmando que fazer uma ameaça de bomba para conseguir embarcar era "ridículo".

Embora ridículo, esta não é a primeira vez que alguém faz uma ameaça de bomba falsa para beneficio próprio. Em 2016, um homem em Nova Iorque fez uma ameaça de bomba para tentar impedir que o voo da sua namorada fosse embora.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.