Segundo o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC),  e na quarta-feira, 25 de Julho, foram cancelados 30 dos 51 voos com descolagem prevista das quatro bases operacionais da Ryanair em Portugal – Lisboa, Faro, Porto e Ponta Delgada –, sendo que, na quinta-feira, a “percentagem de adesão à greve manteve-se nos mesmos níveis”.

De acordo com o sindicato, no dia 26 de Julho, foram cancelados seis dos dez voos planeados em Lisboa, em Faro houve nove voos cancelados em 15 planeados e no Porto 13 voos foram cancelados em 22 planeados.

O SNPVAC acusa a Ryanair de recorrer a trabalhadores em dia de folga para atenuar os efeitos da paralisação. Sem essa medida, segundo o sindicato, a adesão teria sido superior a da greve da Páscoa.

Além de Portugal, os tripulantes de cabine da Ryanair de Itália, Espanha e Bélgica também estão em greve.

Recorde-se que a greve dos tripulantes de cabine da Ryanair foi convocada em protesto contra as condições oferecidas pela companhia aérea.  Os trabalhadores a exigem que a Ryanair aplique a legislação nacional nos contratos de trabalho, nomeadamente em relação à  licença de parentalidade, garantia de ordenado mínimo e que retire processos disciplinares por motivo de baixas médicas ou vendas - a bordo dos aviões - abaixo das metas definidas pela empresa.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.