Com as viagens ainda limitadas, as férias do verão de 2021 devem ser feitas em território nacional. Depois de períodos de confinamento, a maioria dos viajantes espera passar algum tempo ao ar livre durante este verão. Um dos grandes atrativos, e que têm ganho destaque nos últimos anos, são os trilhos e percursos pedestres.  Na Beira Baixa existe quase meia centena.

De Penamacor a Vila Velha de Rodão. De Proença-a-Nova a Salvaterra do Extremo, passando por Oleiros, Castelo Branco e Idanha-a-Nova, que aproveitou o confinamento para recuperar os seus percursos.

Para a observação dos grifos na fronteira com Espanha, pode escolher-se a “Rota dos Abutres” (PR1 IDN). O percurso pedestre inicia-se junto à Igreja Matriz de Salvaterra do Extremo, em Idanha-a-Nova, rumando ao antigo posto da Guarda Fiscal (Gaseia, como é ali conhecido) pelo caminho (quelha) que lhe dá acesso. É neste local que nidifica e tem o seu habitat uma importante colónia de abutres.

Durante a pré-história, o território da Beira Baixa oferecia condições de habitabilidade a comunidades agro-pastoris que viviam também da caça, da pesca e da recoleção. Por isso, outra das sugestões são “Os Caminhos da Pré-História” (PR4 VVR), no território de Fratel que compreende o espaço entre o rio Tejo, o rio Ocreza e a crista quartzítica formada pela Serra das Talhadas.

 A “Rota da Vila – Percurso Pedestre de Penamacor” (PR1 PNC) é um circuito fechado de 10 km que parte do Museu Municipal seguindo até ao Geossítio Miradouro da Casa do Ramalho.

Outro trilho que o pode ajudar a reviver o passado é “A História na Paisagem” (PR1 PNV). Uma pequena rota por caminhos rurais e tradicionais, trilhos e levadas.  O percurso pode ser realizado em ambos os sentidos, observando as marcações no terreno.

Trilho Internacional dos Apalaches

Um dos circuitos mais cobiçados é: “A Grande Rota Muradal Pangeia – Trilho Internacional dos Apalaches” (GR38 OLR), com aproximadamente 37 km, que contém quatro pontos alternativos de inicio e/ou chegada, no centro das aldeias de Montanha de Estreito, Sarnadas S. Simão, Vilar Barroco e Orvalho. Os trilhos recuperados serpenteiam, em geral, pela linha de cumeada que se desenvolve ao longo do relevo Apalachiano da Serra do Muradal.

Se se sente preparado para uma aventura, pode experimentar a Rota da Gardunha (PR1 CB). São mais de 17 quilómetros, o percurso pedestre inicia-se à entrada de Louriçal do Campo (470m de altitude). Passando pela Igreja Matriz de S. Bento (séc. XVI), as ruas sucedem-se até sair, por entre hortas e olivais, na direção das abas da serra. Se, por outro lado, prefere algo mais leve, pode fazer “O Caminho das Virtudes” (PR2 VVR), com vista para as Portas de Ródão e com um contexto geomorfológico especial, as paisagens deste percurso mostram a beleza deslumbrante de toda a região.

Para os fãs incondicionais das bicicletas, sugere-se a Rota 26 do Centro BTT das Sarzedas. Passa pelas aldeias de Valbom e Martim Branco, segue em direção a Chão da Vã, Salgueiro do Campo e Palvarinho. Percurso com elevado grau de dificuldade recomendado apenas para praticantes experientes. Podem, também, pedalar pela Rota 22. Desenvolve-se ao longo da Ribeira de Almaceda em direção à aldeia de Rochas de Baixo, retomando o percurso para Almaceda. É um percurso fácil, acessível a todos os praticantes da modalidade.

Todos os percursos da Beira Baixa podem ser encontrados no site www.beirabaixatour.pt. 

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.