A maioria dos viajantes experientes é cuidadoso a proteger a sua saúde em locais distantes. Mas há outros perigos inerentes à viagem, em parte devido ao ar que respiramos em tubos de alumínio durante horas. E, embora estatisticamente improvável, certas condições podem arruinar uma viagem.

Atualmente, quase todos os aviões comerciais recirculam de 10 a 50% do ar da cabine. O ar nos aviões é razoavelmente limpo e, provavelmente, melhor do que num infantário, mas há razão para cautela, especialmente em voos mais longos, quando o tempo de exposição aumenta exponencialmente.

Os Centros de Controle de Doenças (CDC) citam vários problemas de saúde para os viajantes aéreos, incluindo a transmissão, durante o voo, de doenças transmissíveis, tais como a tuberculose, meningite e sarampo. E a Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta sobre uma variedade de possíveis problemas, incluindo os efeitos da pressão do ar na cabine.

Fumos Nocivos

A maioria das pessoas nunca ouviu o termo “eventos do fumo”, mas a comunidade de aviação estuda estes fenómenos há anos. Em 2015, a Organização Internacional de Aviação Civil, fretada pelas Nações Unidas, emitiu diretrizes para o setor. A ICAO -International Civil Aviation Organization - declarou: “Existem vários tipos de fumo que podem contaminar o sistema de fornecimento de ar da cabine e da cabine de pilotagem.

O ar externo pode estar contaminado com óleo do motor, fluido hidráulico, exaustão do motor, exaustão do veículo de serviço no solo, combustível, fluido de degelo ou ozónio".

A ICAO acrescentou que os ventiladores de recirculação, sistemas elétricos e outros sistemas são“ fontes potenciais ” de ar contaminado.

Com o que deveria se preocupar? A Associação Internacional de Transporte Aéreo cita uma longa lista de sintomas, incluindo aperto no peito, dificuldade com fala, tonturas, dificuldade de balanceamento, dificuldade de equilíbrio entre outros.

Pesticidas

A ameaça de doenças transmitidas por insetos, como malária, zika e febre amarela, fez com que os interiores de aviões fossem pulverizados com inseticidas.

Em alguns países, incluindo Equador, Índia, Panamá e Trinidad e Tobago, o método preferido é pulverizar enquanto os passageiros estão a bordo para garantir que os viajantes e as suas roupas não são transportadores.

O DOT também lista países (incluindo a França, a Itália e o Reino Unido) que exigem desinfetação  apenas em voos selecionados, bem como países (incluindo Austrália e Nova Zelândia) que pulverizam ou tratam a cabine enquanto os passageiros não estão a bordo. Nesses casos, é importante evitar o contato da pele com superfícies ainda molhadas de pesticidas.

A Organização Mundial de Saúde afirma que não encontrou evidências de que tais inseticidas sejam prejudiciais à saúde humana. Mas adverte que alguns passageiros relataram que se sentiram mal após a pulverização.

A Associação dos Comissários de Bordo do EUA chamou o método de pulverização de "má ideia" devido a efeitos adversos para a saúde, e, no ano passado, a Associação de Comissários de Bordo recebeu mais de 200 relatos de doenças de comissários de bordo - incluindo problemas respiratórios, dor de garganta e dores de cabeça - e o sindicato acredita que essas reações foram causadas pelas toxinas de pesticidas.

Nos aviões mais recentes é diferente

Em aeronaves mais recentes, os filtros capturam 99,9% das bactérias, fungos e outras “partículas”. Além disso, alguns aviões comerciais da geração posterior - como o Boeing 787 Dreamliner e o Airbus A350 - apresentam mudanças, como a renovação do ar da cabine a um ritmo mais rápido.

Mantenha-se Saudável

Algumas forma de se proteger do ar do avião:

• Cubra a boca ao tossir ou espirrar e lave bem as mãos - depois de muito espirrar, tossir ou antes da refeição, por exemplo.

• Como o ar da cabine está com pouca humidade - supostamente cerca de 12% - beba bastante líquidos, use sprays nasais salinos e considere usar óculos em vez de usar lentes de contato.
• Os comissários de bordo costumam usar máscaras de papel ou de plástico baratas enquanto borrifam inseticidas, então considere a possibilidade de empacotar algumas.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.