Serra da Estrela significa natureza na sua forma mais pura: grandiosa, crua, magnífica e hipnotizante. Pedras com formas insólitas, penhascos estonteantes, desfiladeiros sem fim, floresta densa, rios que nascem na montanha e desaguam em lagos (veja a galeria de fotos acima). É um grande nada que nos rodeia e que faz com seja impossível não apreciar uma das paisagens naturais mais belas de Portugal. É a falta de intervenção humana que caracteriza a identidade da Serra da Estrela.

É durante o inverno que podemos experienciar a Serra da Estrela na sua forma mais pura. Uma visita no pico do inverno, em janeiro por exemplo, é a altura ideal para descobrir as histórias que se escondem por entre as montanhas, bem como as suas gentes, tradições e gastronomia.

Em toda a cordilheira, que se desenvolve a partir do sistema central ibérico, estão algumas das vistas mais deslumbrantes dos rios e lagos cristalinos, bem como a água mais pura do país. Os seus 25 lagos glaciais são os espelhos de água de maior elevação existente em Portugal. É durante a primavera e o verão, quando o manto verde das florestas e da vegetação cobre a montanha integralmente, que a beleza desta paisagem pode ser melhor apreciada. São nestes momentos em que se torna mais gratificante caminhar pelos antigos trilhos sem enfrentar temperaturas muito baixas.

Serra da Estrela: Natureza
créditos: Emanuele Siracusa

Uma chamada especial de atenção para o clima que é extremamente volátil na Serra da Estrela. Mesmo no verão, mas especialmente no inverno, pode estar sol durante toda a manhã, mas em cinco minutos toda a montanha pode ficar coberta por uma névoa espessa. Tão espessa que não consegue ver três metros à sua frente. Quedas de temperatura abrupta, granizo, chuva, neve e até mesmo trovões podem acontecer a qualquer momento. Por isso, ao menos que você seja um especialista em montanhismo, aconselho a não aventurar-se por conta própria.

Manuel Franco, um dos melhores guias da Serra da Estrela

Devido ao recente crescimento turístico da Serra da Estrela, têm surgido empresas privadas de guias turísticos, guias de trekking, e peritos territoriais. A A2Z Adventures tem o mais proeminente especialista a trabalhar com eles. Manuel Franco foi o meu guia durante a minha estadia na Serra da Estrela e provou ser uma verdadeira revelação. Muito além do seu óbvio profissionalismo, o seu impressionante conhecimento acerca de tudo o que envolve a natureza da Serra da Estrela fez-me entender a verdadeira essência deste lugar. Eu sei que existem outros guias que podem ser igualmente competentes, mas Manuel é uma pessoa que admiro, e alguém com quem gostaria de ficar em contacto.

É incrível como um rapaz de 18 anos da cidade de Lisboa mudou-se para a Serra da Estrela para realizar o seu sonho de infância, que era estar perto da montanha. Ele é uma enciclopédia ambulante acerca de tudo e todos sobre a Serra da Estrela. A paixão do seu sonho de infância está presente em todos os momentos do dia quando se está com o Manuel.

Serra da Estrela: Natureza
créditos: Emanuele Siracusa

Deixem-me colocar as coisas desta forma: sem o Manuel (ou alguém como ele) uma visita à Serra da Estrela é apenas uma visita turística. Além de todas as vistas, paisagens, vales e rochas deslumbrantes que lá existem, as histórias e as explicações do Manuel transformam tudo em realidade. Dão sentido a tudo o que vê. Por que é que aquela pedra está ali? Que tipo de arbusto é esse? Como foi formado este lago? Quem é esse pastor à distância? Quando é que estas árvores foram plantadas aqui? Onde vai dar este caminho? Pergunte qualquer coisa, pois ele sabe.

Alguns dizem que ele conhece todas as pedras pelo nome, e se você alguma vez se perder, tudo o que precisa fazer é descrever o pedregulho que tem à sua frente, e ele vai saber onde está numa questão de segundos. Quando Manuel chegou pela primeira vez à montanha, em 1998, ele costumava encontrar alguns dos moradores para tomar uma cerveja e jogar aos "Nomes das Rochas" – com postais antigos e fotos da montanha, o desafio era adivinhar o que aparecia na imagem. Como todos os portugueses, ele é silencioso e muito introvertido, não dando importância ao status heróico que adquiriu ao longo dos anos. Ele nega esta afirmação, citando um antigo ditado local - o conhecimento completo de tudo sobre a Serra da Estrela reside na memória comum de todos os que lá vivem. Nenhum homem pode saber tudo, é impossível, a informação é muito vasta e muito diversificada.

Além da natureza da Serra da Estrela, a sua fidelidade é dedicada ao seu amigo Alfa. Ele recusa-se terminantemente a chamar Alfa de cão, pois ele é superior em muitas coisas, e acima de tudo, é a afeição que conta.


Este artigo sobre a Serra da Estrela foi feito no âmbito da minha parceria com o Turismo do Centro de Portugal. Todas as opiniões expressas são minhas.

Todas fotos são do fotógrafo Emanuele Siracusa. Conheça o seu trabalho inspirador aqui.