1. Conhecer a parte medieval


A cidade velha, Gamla Stan, é um dos maiores e mais bem preservados centros históricos da Europa. Na movimentada praça de Stortorget, rodeado de cafés e prédios coloridos, há uma bala de canhão bem visível na esquina do prédio entre a Stortorget e a Skomakargatan. Reza a lenda que foi disparada por Gustav Vasa em 1521 (antes de ser eleito rei da Suécia) contra o tirano Kristian II. Falhado o seu alvo, a bala ficou presa nas paredes do prédio para a posterioridade. A grande atração é o Palácio Real, Kungliga Slottet, morada oficial dos reis da Suécia desde o século XVIII. Para além de estar aberto ao público, tem nada menos que cinco museus, entre eles o Museu de Antiguidades Gustav III e a sala do Tesouro. Depois das visitas, fique por perto para assistir ao render da guarda.

2. Fazer a rota do prémio Nobel


Stadshuset, a câmara municipal de Estocolmo, é uma das imagens de marca da cidade. É lá que, todos os anos, se serve o grande banquete de entrega dos prémios Nobel nas diferentes áreas. Se não teve a sorte de ser convidado para a cerimónia, não se preocupe: uma tour guiada pelas diferentes salas vai-lhe mostrar um órgão com mais de 10 mil tubos. E o deslumbrante Hall Dourado, onde a história do país é contada em 18 milhões de mosaicos cobertos a folha de ouro.

Guarde ainda umas horas para visitar o Museu do Nobel e ficar a saber mais sobre o prémio mais prestigiado do mundo.

3. Partilhar momentos de cultura


Arte contemporânea e tesouros históricos. Pode encontrar um pouco de tudo na capital da Suécia. O Museu de Arte Moderna faz uma viagem até à década de 60, quando deu a conhecer ao público sueco as obras de Andy Warhol, Robert Rauschenberg e de Niki de Saint Phalle.

Ainda nas redondezas, o Museu Nacional de Belas Artes da Suécia tem desenhos e peças decorativas da Idade Média que partilham o mesmo teto com pinturas de Rembrandt e Degas.

O Museu Vasa é outro ponto de paragem obrigatória. Foi construído de propósito para abrigar o navio que lhe deu o nome. Afundado em 1628 na viagem inaugural, só foi recuperado do fundo do mar 333 anos depois, em 1961. Uma verdadeira relíquia nacional!

4. Relaxar na hora da Fika


Num país onde cada habitante consome em média 4,5 chávenas de café por dia, este momento de pausa tinha que ter um nome próprio. Sozinho ou acompanhado, a fika consiste em partilhar uma chávena de café com algo doce (como um tradicional pãozinho de canela), num lugar tão acolhedor quanto possível.

Para “fikar” como um local, experimente alguns dos excelentes cafés em Gambla Stan ou no enorme parque de Djurgården.

Estocolmo, Gambla Stan
Vista para a Gambla Stan créditos: Pixabay

5. Encher o carrinho de delícias nórdicas


A cadeia de design sueca IKEA pode ter popularizado as almôndegas, mas a gastronomia do país tem muito mais por onde escolher.

Para além das carrinhas de comida muito trendy (há até uma aplicação para as localizar), os pubs típicos servem as mais variadas delícias: do smör ost och sill — um prato de arenque, queijo e manteiga — ao pytt I panna, carne com batatas, ovo frito e beterraba.

Abriu-lhe o apetite? Não deixe de ir ao mercado centenário Östermalms Saluhall, encontrar produtos tradicionais vendidos em barracas de madeira. Não se esqueça das famosas bagas vermelhas, as lingonberry. Os suecos comem-nas com tudo!

6. Viajar na história


Fundado em 1891, o museu ao ar livre de Skansen é ao mesmo tempo jardim zoológico, parque infantil e província em miniatura.

Os 150 edifícios tradicionais do século XVIII e XIX foram trazidos, peça a peça, de várias partes do país. As ruas labirínticas estão repletas de igrejas, farmácias, lojas de ferreiros e casas de mercadores que mostram onde viviam as pessoas há séculos.

Aproveite a viagem no tempo para beber uma cerveja numa das tabernas da época.

7. Apreciar as vistas


Por estar construída sobre 14 ilhas com poucos edifícios altos, Estocolmo tem uma paisagem única... e miradouros que permitem apreciá-la!

Monteliusvägen é um caminho de 500 metros que tem uma vista magnifica para o lago Mälaren e a câmara municipal, especialmente ao pôr do sol.

Skinnarviksberget e Fjällgatan também são lugares de eleição para fazer piqueniques e festas a céu aberto.

A torre de televisão, Kaknäs Tower, que transmite a rádio e a TV para todo o país, tem 155 metros de altura. Bem lá do topo, conseguirá ver a cidade e os arredores.

8. Sentir a aura moderna


Nos últimos anos, a arte contemporânea na Suécia tem vindo a explorar todo o seu potencial. O bairro de Södermalm (vulgarmente conhecido por SoFo), é o sitio certo para estar no centro do acontecimento.

As lojas vintage, a cultura retro e galerias de arte como a CFF, Centrum För Fotografi surgem em cada esquina. Ainda na mesma zona, o mercado anual de artes tem amostras do que melhor se faz no país atualmente e o mercado de rua “Street” tem vindo a integrar a cultura londrina nos sofisticados gostos nórdicos.

9. Revisitar a infância


Lembra-se da Pipi das Meias Altas? A personagem de longas tranças ruivas é uma das figuras infantis da autora sueca Astrid Lindgren e está no parque de diversões Junibacken.

Já o Gröna Lund pode ser o parque mais antigo do país, mas vale a pena não só pelos carrosséis e montanhas russas. O seu cenário retro que parece saído de um filme.

Para terminar em beleza a sua viagem à infância, o próximo destino é o Museu dos Abba, um dos grupos de pop com maior sucesso de sempre. A música, as roupas, as letras e os filmes da banda estão reunidos neste museu de onde certamente sairá a cantar e a dançar.