Começa esta sexta-feira, dia 8 de setembro, a terceira edição do festival Jardim Sagres Fest, no Jardim António Borges. Serão dois dias com música variada e várias atividades para toda a família. Marta Ren & Groovelvets, Jazzanova, Blue n’Grass são algumas das propostas musicais. Também vão existir atividades para crianças, cinema, artesanato, gastronomia e um jardim em silêncio. O evento é um "até já" ao verão.

Talvez nunca tenha ouvido falar deste festival. Pois bem, não é para massas, nem espera concorrer com os grandes festivais do continente - até porque tem lotação máxima de 1500 pessoas. A intenção, diz à agência Lusa Filipe Mota, "é devolver o jardim António Borges à cidade de Ponta Delgada e criar um conjunto de atividades variadas que vão desde a música, às artes plásticas, ao cinema ao ar livre e uma pequena praça".

Mas será que António Borges merece "voltar" a cidade? Fomos tentar compreender, e sim. O António Borges não é um jardim qualquer (isto se considerarmos que existem jardins banais), foi construído entre 1858 e 1861 e, apesar de ser um dos principais jardins históricos da ilha de São Miguel, andou esquecido. Mas não merecia.

Conta-nos Filipe Mota, também arquiteto, que, durante o tempo que andou esquecido, o Jardim António Borges ganhou "má fama" e famílias, jovens deixaram de o visitar por receio.  O Jardim havia passado a lembrança de quem tinha tido a oportunidade de por lá brincar durante a infância. Com a criação do Sagres Fest, as pessoas voltaram a frequentar o jardim.

O quiosque de serviço no Jardim Sagres Fest foi dos primeiros a sentir o impacto com a clientela a aumentar logo após a primeira edição.

O jardim muito “suis generis” está aberto todo o ano e vale a pena ser visitado. Para além do factor histórico, Filipe realça a “beleza” do jardim e a sua estrutura. O Jardim António Borges, cujas obras de recuperação terminaram em 2005,  tem grutas, lagos, pontes, diferentes espécies de árvores e outros encantos que o tornam romântico.

Mas não se devolveram só 2,5 hectares de espaço verde à cidade. Devido à liberalização do mercado aéreo, a cidade também ganhou um novo estatuto e posicionamento no mercado turístico.

Esqueça a Islândia. Os Açores são o novo destino de aventura
Esqueça a Islândia. Os Açores são o novo destino de aventura
Ver artigo
Em 2016, o Bloomberg escreveu que os Açores são a nova Islândia e o destino “quente" de aventura. Em Portugal, lia-se nos jornais que o arquipélago estava na moda.

Nesse mesmo ano, os Açores foram a região de Portugal onde o crescimento turístico foi mais expressivo. O caminho a seguir ficou nas mãos dos agentes turísticos.

jardim sagres fest
créditos: Carlos Brum Melo

Miguel Brilhante, diretor-geral do Coliseu Micaelense e gestor cultural, descreve Ponta Delgada como uma “cidade de charme” e, por isso, acredita que a aposta deve seguir esse caminho. Para o vereador há que “criar com o charme dos lugares, eventos de charme”, de forma a relacioná-los com o que a natureza ofereceu aos Açores.  Assim, mais do que criar eventos, espera-se potencializar os lugares, dinamizar a cultura e desenvolver a riqueza histórica.

E é por isso que o Jardim Sagres Fest não se resume só a música. Há também a intenção de fomentar a riqueza botânica e contaminar as pessoas pelas diferentes forma de artes.

Conheça o programa:

Dia 08 de setembro

O Jardim Sagres Fest apresenta um programa musical com a festa brava de soul e groove de Marta Ren & The Groovelvets, as escolhas musicais do ex- Heróis do Mar Rui Pregal da Cunha, o blues açoriano com o virtuosismo de Triki & Franco Blues Band e os discos para dançar ao pôr do sol de Um Gajo Chamado Keany.

Dia 09 de setembro

Já no sábado, a noite culmina com as versões a viola e banjo do trio almadense Blue n’ Grass, a sofisticação do alemão Alex Barck dos míticos Jazzanova, a nova formação da cantora compositora micaelense Sara Cruz e os sons para despertar sentidos de Fabrizio Reinolds e DU-DÉ-DU.

Além da música, o Jardim Sagres Fest propõe um conjunto de atividades culturais que passam pelo artesanato, workshops, artes plásticas, gastronomia, cinema, programa infantil e um jardim em silêncio, o NOS lounge, que associa as preocupações ecológicas ao silêncio e convida o público a fruir um DJ set com headphones.

Destaque-se também a contínua aposta no trabalho de sensibilização e responsabilidade social através da presença do Núcleo de São Miguel da Associação Animais de Rua que permitirá ao público o contacto direto com animais, e a informação de processos de adoção de gatos e cães.

A organização propõe ainda um conjunto de boas práticas ambientais que incentivam o público a contribuir para a redução de resíduos e lixo no espaço do jardim, assim como ações de sensibilização para as questões ecológicas e de sustentabilidade.

O bilhete diário custa 7,5€, enquanto o passe geral com número limitado para os dois dias tem o valor de 10€. Crianças até aos 12 anos pagam 1€.

Os bilhetes para o Jardim Sagres Fest estarão disponíveis em Ponta Delgada, no Coliseu Micaelense, Café 3 / 4, Quiosque In Nature (no Jardim António Borges); na Ribeira Grande no Bar Tuká Tulá; nas Furnas no café 3 Bicas, e na Pousada da Juventude da Lagoa.

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar