O ex-libris de Coimbra é, sem dúvida, a sua Universidade, datada do século XIII. Mas, os encantos de Coimbra não se perdem só na folia estudantil e vida universitária. Banhada pelo Rio Mondego esta é uma cidade histórica com muito para visitar.

Percorra as ruas estreitas, ao som do fado coimbrão, passe pelas ruínas romanas, pelas muralhas e pelos recantos repletos de histórias que esperam ser contadas.

A antiguidade da universidade remonta até 1290. É um ponto incontornável de uma visita a Coimbra, não só pela sua imponente arquitetura mas também pela biblioteca Joanina (do século XVIII, que tem mais de 60 mil obras antigas) e pela sua área circundante.

O que visitar em Coimbra

- Aqueduto de S. Sebastião

O Aqueduto de S. Sebastião, também conhecido por Arcos do Jardim, situa-se em frente ao Jardim Botânico da Universidade de Coimbra e outrora fornecia água para grande parte da cidade. A sua construção remonta ao século XVI, onde se supõe a existência anterior de um aqueduto romano, e num dos 21 arcos tem a estátua de S. Sebastião de um lado e de S. Roque do outro.

- Arco de Almedina

O Arco de Almedina era a principal porta da muralha medieval e juntamente com a Torre de Almedina eram uma parte crucial na defesa da cidade - no topo tem uns buracos de onde lançavam o óleo a ferver sobre os invasores. Supõe-se que este Arco tenha sido edificado durante os reinados de D. Afonso III e D. Dinis, contudo, a sua estética atual é atribuída a uma reforma no início do século XVI, a mando de D. Manuel I.

- Carmelo de Santa Teresa

O Carmelo, sito próximo do Penedo da Saudade, foi construído para as irmãs Carmelitas, no século XVIII e tem vindo a tornar-se um ponto inquestionável do turismo religioso da cidade e muito tem que ver com a permanência da Irmã Lúcia (a última vidente de Fátima) no convento, até à sua morte em 2005. A entrada é gratuita, tem apenas que tocar à campainha para visitar o edifício. Horário: de segunda-feira a domingo, das 09h00 às 12h00 e das 15h00 às 17h45

- Casa Medieval

Esta antiga casa situada, nos números 4 e 6, na confluência da rua Sargento-Mor, da rua dos Gatos e Adro de Cima, é das casas mais antigas de Coimbra.

É uma casa de feição medieval, com ressaltos desnivelados em madeira nos pisos da fachada principal. As paredes são de "enxaimel" e as janelas possuem ombreiras de madeira pintada. Apresenta caraterísticas da chamada casa de sobrado (loja e habitação), que documento a arquitetura típica desta zona da Cidade, onde se concentravam os mesteres.

Coimbra
Vista geral da cidade de Coimbra. créditos: LUSA

- Colégio de Santo Agostinho

O Colégio de Santo Agostinho começou a ser erigido em 1593 e atualmente está instalado no pólo da Faculdade de Ciências e Psicologia da Universidade de Coimbra. É constituído por dois pisos e neles sobressai o claustro e a jónica, ricamente decorados com mármores e azulejos setecentistas.

- Colégio de São Tomás

A construção do Colégio de São Tomás remete ao ano de 1543. Só em 1834, com a extinção das Ordens Religiosas, abandonou os propósitos de ensino, tendo sido inclusive um armazém de madeiras.

A compra do edifício pelo Ministério da Justiça fez-se em 1928. Desde então sofreu remodelações e serve, nos dias de hoje, como Palácio da Justiça e Tribunal da Relação de Coimbra.

- Fonte Nova

A Fonte Nova, também conhecida por Fonte dos Judeus desde 1137, sofreu algumas mudanças ao longo dos tempos, sendo remodelada em 1725 - ficando assim com a atual estética barroca - e a escadaria que a ladeia foi concluída em 1986.

- Igreja da Nossa Senhora do Carmo

A génese da Igreja reporta a 1540, quando D. Frei Baltasar Limpo, bispo do Porto, mandou edificar um colégio talhado para acolher os clérigos que fossem estudar para a Universidade de Coimbra. Em 1834, com a abolição das ordens religiosas, o colégio fica desocupado e passa a pertencer à jurisdição da Comarca de Coimbra. O edifício é de estilo clássico e no seu interior sobressaem pormenores maneiristas e barrocos, azulejaria seiscentista e pinturas setecentistas. A entrada é gratuita. Horário de visitas: de terça a sexta-feira, das 10h00 às 12h00 e das 15h00 às 18h00; fins-de-semana e feriados das 15h00 às 18h00

- Igreja de Santa Cruz – Panteão Nacional

A Igreja de Santa Cruz, ou Panteão Nacional, foi fundada em 1131 sendo D. Afonso Henriques o principal benemérito. A sua escola foi crucial nos tempos medievais e por ela passaram as elites do poder e da intelectualidade. Na Igreja residem os túmulos de D. Afonso Henriques e D. Sancho I, os primeiros reis de Portugal.

A entrada é gratuita mas para visitar a Sacristia, Sala do Capítulo, Claustro e Exposição tem o custo de 2,50€, bilhete normal. Horário: de segunda a sexta-feira, das 09h00 às 12h00 e das 14h00 às 17h00; sábados, das 09h00 às 12h00 e das 14h00 às 17h00; domingos, das 16h00 às 17h30

- Igreja de São Tiago

As obras desta igreja foram iniciadas antes do ano de 957 e foi reedificado nas últimas décadas do século XII, no reinado de Sancho I de Portugal. Atente nos portais principal e lateral sul, relevantes para o românico coimbrão, e o portal principal que tem quatro arquivoltas.

- Mosteiro de Santa Clara-a-Nova

Foi erguido no século XVII para substituir o antigo mosteiro medieval de Santa Clara-a-Velha. É atualmente um repositório de arte portuguesa dos séculos XIV a XVIII e guarda as relíquias da Rainha Santa Isabel, fundadora do mosteiro antigo.

- Mosteiro de Santa Clara-a-Velha

O Mosteiro de Santa Clara de Coimbra foi fundado em 1283 por Dona Mor Dias e entregue às freiras clarissas pouco depois, até que Dona Isabel de Aragão (Rainha Santa Isabel) se dedicou inteiramente ao mesmo, construindo novos edifícios em estilo gótico, nos quais se destacam o claustro e a igreja. Pela sua devoção, a Rainha foi canonizada e hoje em dia continua a ser uma das santas mais adoradas pelos portugueses. A festa realiza-se nos anos pares e a 4 de julho.

- Palácio de Sub-Ripas

O Palácio de Sub-Ripas apropriou-se de uma antiga torre militar, agregada à muralha da cidade e casario anexo. É composto por dois edifícios - a Casa do Arco e a Casa da Torre - interligados por um arco, sobre a ruela. Esta obra sofreu diversas remodelações e a última, pelas mãos do arquiteto António Madeira Portugal, foi galardoada com o Prémio Europa Nostra.

- Pátio da Inquisição

O Pátio da Inquisição representa um dos marcos mais sombrios da história de Portugal pois funcionou como Tribunal do Santo Ofício, de 1556 até 1821. Os edifícios que o compõem sofreram variadas remodelações mas na sua praça, algo se manteve imutável... uma pedra! Essa pedra servia de suporte para decapitar os judeus que se recusaram a converter ao cristianismo e outros indivíduos acusados de outros crimes, como de feitiçaria. O Pátio alberga, desde 2003, o Centro de Artes Visuais (CAV).

- Penedo da Saudade

O Penedo da Saudade, sito num ponto alto e rochoso da cidade, é um jardim histórico cujo nome provém da tradição, que nos diz que D. Pedro costumava frequentar aquele local para chorar a perda da sua amada, Inês de Castro. A partir do século XX, os estudantes começaram a dispor pelo jardim lápides com versos, principalmente no recanto "Sala dos Cursos". Na "Sala dos Poetas" tem bustos de célebres poetas portugueses, como de Eça de Queirós e António Nobre.

- Sé Nova

A Sé começou a ser construída em 1598, sob a ordem do bispo Dom Afonso Castelo Branco, mas as obras só findaram em 1640. O monumento fazia parte do Colégio da Companhia de Jesus até à sua dissolução em 1759. Vale a pena visitar pela mescla de épocas e estilos, visíveis nos detalhes do monumento.

- Sé Velha

Serenata monumental da Queima das Fitas de Coimbra
Sé Velha, em noite de serenata, durante a Queima das Fitas de Coimbra. créditos: LUSA

A Sé Velha é um dos marcos do estilo românico mais importantes de Portugal. Supõe-se que os primórdios da sua fundação remontem ao século IX, todavia, a construção do edifício atual começou em 1146, após D. Afonso Henriques se ter declarado rei de Portugal e de ter escolhido Coimbra como capital do Reino. Na Sé está a sepultura de D. Sesnando, Conde de Coimbra.

- Torre de Almedina

Edificada sobre o Arco de Almedina, esta Torre está ligada à função militar pois tinha como função vigiar e defender a principal porta de acesso ao interior da muralha. O seu nome, diz-se, provém do árabe aquando a ocupação da cidade pelos mesmos.

- Torre de Anto

A Torre do Prior do Ameal, de origem medieval, integrava a antiga cerca de Coimbra e tinha funções militares. Atualmente, é conhecida por Torre de Anto pois nela habitou o poeta António Nobre, nos finais do século XIX.

Por perto: Passear

- Quinta das Lágrimas

Não deixe de conhecer a Quinta das Lágrimas, local que testemunhou o amor entre D. Pedro e Inês. Este jardim conta, nos seus recantos, a fatídica história de amor entre D. Pedro e Inês de Castro - história esta que inspirou diversas artes como a literatura, música e poesia. Para conhecer melhor a Quinta das Lágrimas deve explorar as ruínas neolíticas, o palácio do século XIX e a afamada Fonte das Lágrimas, na qual Inês de Castro foi executada. Tem também um hotel e um restaurante.

 - Portugal dos Pequenitos

Portugal dos Pequeninos
Portugal dos Pequeninos créditos: LUSA

Foi fundado em 1940 e é um parque lúdico e pedagógico direcionado especialmente para as crianças, mas não só. Este local é um reflexo das caraterísticas mais marcantes de Portugal, tanto cultural como arquitetonicamente. As casas em miniatura retratam a estética de diversas zonas do país e ainda de países de expressão portuguesa, como Macau e Brasil. Ainda nas premissas, pode visitar o Museu do Traje, o Museu da Marinha e o Museu da Barbie.

Horário: 1 de janeiro a 28/29 de fevereiro e de 16 de outubro a 31 de dezembro, das 10h00 às 17h00; 1 de março a 31 de maio e de 16 de setembro a 15 de outubro, das 10h00 às 19h00; 1 de junho a 15 de setembro, das 09h00 às 20h00

- Conímbriga

Também a poucos minutos (de carro) do centro de Coimbra está Conímbriga, local onde estão reunidas importantes ruínas romanas. Aqui existem provas arqueológicas de que Coimbra foi habitada pela primeira vez entre o século IX a.C. e os séculos VII-VIII. Aqui pode visitar as muralhas da cidade, os sistemas fluviais, os banhos termais, os mosaicos e ainda um museu que compila objetos encontrados durante as escavações. Esta área foi, desde 1910, decretada como monumento nacional.

- Parque Verde do Mondego

Este parque foi criado em 2004 com o intuito de promover uma maior interação entre a cidade e o rio. A área compreende mais de 400 mil metros quadrados e tem caminhos pedonais, ciclovia, skatepark, uma zona de areia para jogar vólei de praia, pavilhões de desporto e exposições. A circulação automóvel é proibida.