Se gosta de viajar e costuma pesquisar voos e hotéis na internet, provavelmente está entre os 40% dos portugueses que conhecem a momondo. A versão portuguesa do site estreou-se em 2013 e entre 2014 e 2016 teve um crescimento de 300%. Além disso, a app da momondo é a mais utilizada para a comparação de voos no nosso país. Os dados são avançados pelo diretor de marketing da momondo para Portugal.

Fábio Pereira trabalha na sede da empresa, em Copenhaga, mas está em Portugal esta semana para participar na Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL). Um dos objetivos é contactar com bloggers de viagens e promover a partilha de conteúdos.

A partilha de dados de forma transparente faz parte do ADN da momondo, já que a empresa surgiu com o objetivo de apresentar aos utilizadores da plataforma resultados comparativos de preços de voos de centenas de websites de viagens. Hoje, também é possível pesquisar hotéis, carros, ver dicas de viagens e a momondo é uma marca mundial, mas que continua a fazer muito sucesso na sua terra natal.

“Trabalhar na momondo é muito interessante, somos 230 colaboradores e mais de 40 nacionalidades. Ir para o escritório é como dar uma volta do mundo”, conta Fábio Pereira, que já vive na Dinamarca há oito anos e trabalha na momondo há dois. Na Dinamarca e nos restantes países escandinavos, a momondo é uma “marca muito forte” e é motivo de orgulho para os dinamarqueses, refere Fábio que há cerca de um ano assumiu as funções de marketing manager para Portugal.

Fábio Pereira
créditos: DR

Os portugueses que utilizam a momondo são jovens – um terço tem entre 25 e 34 anos –, vivem nas grandes cidades, são experientes em tecnologia e procuram viajar através de voos de low cost. “O preço dos voos é um fator importante para os utilizadores portugueses”, realça Fábio.

Entre os destinos mais pesquisados estão Londres, Paris, Amesterdão, Barcelona, Madrid, Roma, Ponta Delgada, Funchal, Nova Iorque, São Paulo, Rio de Janeiro, Banguecoque e Luanda. Cerca de 45% dos utilizadores portugueses da momondo compram uma viagem uma vez por ano e 36% organizam todo o processo da viagem, da compra do voo à reserva do hotel. Apenas 4% compra pacotes de viagens.

Estas plataformas que permitem a pesquisa e comparação de preços de voos e estadias revolucionaram a forma como organizamos viagens e vieram “dar ferramentas que só estavam disponíveis aos profissionais do setor”. “Qualquer pessoa pode ser um agente de viagens hoje em dia”, afirma Fábio Pereira. Informações sobre rotas, destinos ou o dia mais barato para viajar estão mesmo à distância de alguns cliques.

Para Fábio, a transparência e a independência são os grandes trunfos da momondo. “Como não vendemos nada, conseguimos manter a independência e a informação transparente”, sublinha. O modelo de negócio da empresa funciona através de taxas que são cobradas aos fornecedores quando o cliente é redirecionado para o site de compra. É uma taxa tão pequena que não influencia o preço final do voo, explica Fábio Pereira.